Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

A nova imagem do Congresso Nacional



O deputado Clodovil Hernandez no plenário da Câmara
(Foto: Folha Imagem + Efeito do RA)

Pitaco do RA: O Brasil é um país que se supera a cada eleição.

Share

segunda-feira, 29 de janeiro de 2007

Final feliz para o MacLanche


Retomada a construção do novo prédio do MacDonald's

Share

domingo, 28 de janeiro de 2007

Imagens de domingo


Uma grande nuvem escura paira sobre o Rodoshopping Graal

Share


No mesmo horário de domingo passado...

Share


Às seis da tarde, toneladas de água começam a cair do céu

Share


Transformando ruas em rios e carros em barcos

Share

'Manda Bala' no Brasil

Publicado no UOL Notícias

Um documentário americano sobre corrupção e seqüestro no Brasil ganhou, ontem, o prêmio do júri de melhor documentário no Festival de Cinema Sundance, em Utah, nos Estados Unidos.

O filme - dirigido pelo cineasta Jason Kohn - acompanha "um político que usa uma fazenda de rãs para roubar bilhões de dólares, um milionário que investe uma pequena fortuna para blindar seus carros e um cirurgião plástico que reconstrói as orelhas de vítimas de seqüestro mutiladas", diz o comunicado do Sundance que traz a lista de vencedores.

De acordo com o jornal americano Los Angeles Times, o documentário Manda Bala se foca em "como os ricos ficam mais ricos e os pobres tentam se safar fazendo seqüestros e outros crimes". O filme rendeu o prêmio de melhor fotografia para a cineasta paranaense Heloísa Passos.

Realizado todos os anos no mês de janeiro, o Festival de Sundance é tradicionalmente uma vitrine para o cinema independente americano, organizado pela Fundação Sundance, criada pelo ator Robert Redford em 1981.

Pesquisa do RA: O site oficial do Sundance Festival inicia a sinopse sobre o documentário Manda Bala (Send a Bullet) com a seguinte frase: "No Brasil, conhecido como um dos mais violentos e corruptos países do mundo"... No site da CNN, o comentarista ressalta: "The film opens by saying it cannot be shown in Brazil" (O filme abre dizendo que não pode ser exibido no Brasil). Já o Guia de Filmes (All Movie Guide), do jornal The New York Times, começa assim a sua resenha: "Brazil is a nation where political and economic corruption and violent crime are a way of life for many"... (O Brasil é uma nação onde corrupção política e econômica e crime violento são um meio de vida para muitos).

Pitaco do RA: Numa feliz (ou infeliz?) coincidência, a premiação e os comentários sobre "Manda Bala" saíram no mesmo fim de semana em que a principal revista brasileira publica uma matéria de capa sobre o que os brasileiros pensam dos seus políticos - "desonestos, insensíveis, mentirosos" - e, também, que um dos principais jornais do país mostra as tramóias dos deputados federais para justificar os seus "gastos extras", que ultrapassaram 81 milhões de reais em 2006. Por essas e por outras (muitas outras!), como contestar o que falam de nós lá fora? Infelizmente, os gringos estão mais do que certos!

Share

sábado, 27 de janeiro de 2007

O começo do fim de George W. Bush


Manifestação contra a guerra no Iraque hoje em Washington

Share


Um pacote de mentiras; Bush o mentiroso; acabe com a guerra

Share


Botas de soldado sobre um caixão embadeirado

Share


O ator Sean Penn marcou presença na manifestação

Share


Assim como as atrizes ativistas Susan Sarandon e Jane Fonda

Share


Veteranos de guerra também compareceram

Share


Gritando palavras de ordem contra Bush

Share


Congresso: acabe com a guerra no Iraque

Share


As mãos ensagüentadas de 'Bush' sobre o mundo

Share


'Mande as gêmeas', referência às filhas de Bush

(Fotos das agências Reuters e EFE publicadas no Globo Online)

Share

A voz do povo



Capa da edição que chega às bancas amanhã

Share

Extras de deputados chegam a R$ 81 milhões

Publicado no Globo Online

Os gastos com pagamento de verbas extras aos parlamentares chegaram a R$ 81,330 milhões no ano passado, segundo reportagem publicada na edição de domingo do jornal O Globo. O valor é suficiente para construir 2.900 casas populares ou pagar benefícios do programa Bolsa Família a 113 mil famílias durante um ano.

As verbas indenizatórias têm que ser comprovadas com notas e podem ser usadas para pagar despesas com locomoção, hospedagem, combustível, contratação de consultores, aluguel, divulgação da atividade parlamentar e segurança e até compra de material de escritório. Por ano, cada deputado pode gastar até R$ 180 mil.

Levantamento feito pelo Globo nas prestações de contas apresentadas por 625 deputados que estiveram na Câmara na Legislatura que termina esta semana mostra que 74 deles gastaram o máximo possível. Uma análise das despesas revela que os parlamentares fazem de tudo para usar o dinheiro.

Quando foi estabelecido, em abril, o limite de R$ 4,5 mil para despesas com combustíveis, até então consideradas excessivas, os deputados migraram seus gastos e passaram a apresentar notas de despesas com locomoção, hospedagem, alimentação e contratação de consultorias, pesquisas e assessorias técnicas. Ou seja, mudaram o tipo de despesa mas continuaram gastando o máximo.

Share

Resende, capital dos apagões


À meia-noite, escuridão em parte de Campos Elíseos e do Centro

Share

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007


Um caminhão da Ampla pára em frente à Caixa Econômica Federal

Share


E os bares do Calçadão atendem à luz de velas em plena sexta-feira

Pitaco do RA: Falar mais o que sobre a Ampla? Falar mais o que sobre 99,9% dos políticos brasileiros? Falar mais o que sobre o presidente viajante? Falar mais o que sobre o terrorista Bush? Acho que esse blog vai acabar morrendo na escuridão por absoluta falta do que dizer...

Share

Curtas de sexta

A I Mostra de Cinema "Câmara Digital" termina hoje com a exibição dos seguintes filmes:

Ajuê São Benedito - Drama dirigido por Paulo Miranda. Sinopse: a fé em São Benedito, o espírito comunitário e o amor entre dois jovens são os ingredientes desta estória que narra a luta de um grupo de seringueiros para libertar-se do trabalho escravo num seringal da Amazônia. Realizado em 2004. Duração: 76 minutos.

Estória de um leitor - Direção de Pedro Lacerda Talarico. Elenco: Gustavo Praça, Lana Almendra, Marta Barcellos e Gilson Costa. Sinopse: o encontro inusitado de um homem de meia idade e uma jovem num lago. Duração: 15 minutos.

A apresentação dos filmes tem início às 20 horas, no Auditório da Câmara Municipal de Resende, com entrada franca.

Share

Para David Lynch, a película morreu

Publicado no UOL Cinema

Ele é um cineasta que criou alguns dos trabalhos mais memoráveis e enigmáticos já feitos em celulóide, mas no que diz respeito a David Lynch, a película morreu.O cineasta inconformado de Hollywood, famoso por filmes perturbadores que exploram o lado obscuro da natureza humana, como "Veludo Azul", "Eraserhead" e "O Homem Elefante", diz que se tornou parte da revolução digital.

"A película é um meio belíssimo", disse o cineasta de 61 anos, em entrevista à AFP. "Belas máquinas, belas câmeras, o olhar, tudo é lindo. Mas fazer filmes assim acabou", afirmou.

Lynch rodou seu último filme, "Inland Empire", um enigmático e irritante quebra-cabeça de três horas de duração que deixou os críticos coçando a cabeça, usando exclusivamente levíssimas câmeras digitais.E insistiu que não pretende voltar à filmagem tradicional.

"As câmeras tradicionais de cinema são como chumbo. Os 'travellings' são gigantes e pesados. Tudo é grande e tão lento. Cada vez que se movimenta a câmera, tem-se que iluminar novamente o set. É como uma tartaruga no inverno", declarou.

Trabalhar com câmeras digitais permitiu a Lynch filmar e editar em tempo real, enquanto antes tinha que esperar 24 horas pela revelação do filme.

"Ver o que se vai conseguir realmente e poder contar ali mesmo é inestimável. Poder manter a espontaneidade no set sem matar a magia do momento, tendo que recarregar a câmera, é uma nova forma de trabalhar. Não poderia voltar nunca a trabalhar com película. É como um dinossauro", acrescentou.

No entanto, embora Lynch tenha abraçado de forma entusiasmada a nova tecnologia para sua arte, ele se disse constrangido só de pensar que, à medida que mais filmes puderem ser baixados na internet, as pessoas deixarão de ver cinema na tela grande.

"É um pensamento terrível", declarou. "Espero realmente que se as pessoas começarem a assistir a filmes em seus iPods, que tenham algum tipo de artefato que lhes permita projetar uma grande imagem na parede. Mas espero que a tradição de ir ao cinema nunca morra. Uma tela grande, uma sala escura com centenas de pessoas, as cortinas se abrindo e todos viajando para um mundo diferente... É algo mágico", concluiu.

Share

Ao maestro, com carinho



Tom completaria 80 anos ontem
(Foto de Ana Lontra Jobim)

Fotografia

Eu, você, nós dois
Aqui neste terraço à beira-mar
O sol já vai caindo e o seu olhar
Parece acompanhar a cor do mar
Você tem que ir embora
A tarde cai
Em cores se desfaz,
Escureceu
O sol caiu no mar
E aquela luz
Lá em baixo se acendeu...
Você e eu

Eu, você, nós dois
Sozinhos neste bar à meia-luz
E uma grande lua saiu do mar
Parece que este bar já vai fechar
E há sempre uma canção
Para contar
Aquela velha história
De um desejo
Que todas as canções
Têm pra contar
E veio aquele beijo
Aquele beijo

Share

quinta-feira, 25 de janeiro de 2007

Céu de chumbo



Cena da cidade hoje de manhã

Share

Céus de Fuligem



Cena do primeiro curta a ser exibido hoje

Share

Curtas de quinta

Céus de fuligem - Ficção-científica dirigida por Márcio Napoli. Sinopse: um artefato espacial de origem desconhecida cai sobre a cidade de São Paulo, abrindo uma colossal cratera na paisagem de concreto e aço. O evento de proporções bíblicas assombra os quatro cantos do planeta. Realizado em 2005. Duração: 40 minutos.

Saindo da sombra - Direção de Henrique Saladini. Elenco: Java Mayan, Thiago Rodrigues e Márcio Kealing. Sinopse: Jovem está em busca de sua realização. Crises de rumo profissional, decepções amorosas e familiares e situações inusitadas vão acontecendo ao longo da história. Realizado em 2005. Duração: 15 minutos.

Uma ou duas coisas sobre o amor - Direção de Gulu Monteiro. Elenco: Reinaldo Pinho, Marcela Siqueira, Luiz Fernando, Luciene Martes, Giselly Martins e Binho Soares. Sinopse: história de uma paixão obsessiva misturada com traições e desejos. Realizado em 2006. Duração: 13 minutos.

Nove e cinco - Direção de Eric Honda, Jotagá Crema, Marcius Lepick e Ruben Juliano. Elenco: Ingrid Cadidé, Marcius Lepick e Marco Túlio Garcia. Sinopse: o tempo não passa para três pessoas que aguardam numa sala. Realizado em 2006. Duração: 4 minutos.

Itatiaia visto por dentro - Dirigido por Christian Spencer e Gibby Zobel. Sinopse: um olhar poético e sensorial sobre a fauna e a flora do Parque Nacional do Itatiaia. Realizado em 2006. Duração: 22 minutos.

A apresentação dos filmes tem início às 20 horas, no Auditório da Câmara Municipal de Resende, com entrada franca.

Share

quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

Imagem de quarta


Mais um dia de chuva e de temperatura outonal

Share

Curtas de quarta

Regatão - O shopping da selva - Documentário dirigido por Mariza Leão e Marcelo Laffite. Sinopse: uma viagem pelo Amazonas a bordo de um barco de regatão, comércio fluvial que abastece a população ribeirinha. Realizado em 2005. Duração: 51 minutos.

Chá!!! Ou capota, mas não breca - Direção de Ayrton Batista Jr. Elenco: Thaís Portinho e Maria Lúcia Dahl. Sinopse: quatro atrizes tomam chá e conversam sobre o presente e o passado. Realizado em 2005. Duração: 13 minutos.

A invasão Alien - Direção de Nina Bellotto, Dedeco e Leondre. Elenco: João Mader Bellotto, Antônio Mader Bellotto, Dudu e Gian Marco. Sinopse: os alienígenas estão chegando, estão chegando os alienígenas. Realizado em 2004. Duração: 4 minutos.

Urbano, com o pensamento em Walt Whitman - Direção e argumento de Alexandre Mello. Elenco: Felipe Abib. Sinopse: o filme faz parte do espetáculo "Canção de mim mesmo", de Alexandre Mello e do Grupo Ateliê Usina. Realizado em 2006. Duração: 4 minutos.

Abraão - O Filme - Dirigido por César Augusto Souza, Murilo Domingos e Pedro Chapaval. Elenco: Murilo Domingos, Yuri Alhanati, Pedro Chapaval, Roger Rodrigues e César Augusto Souza. Sinopse: Deus está pronto para soltar sua fúria divina sobre um estressado Abraão, que o faz rever seus dogmas. Realizado em 2006. Duração: 8 minutos.

A apresentação dos filmes tem início às 20 horas, no Auditório da Câmara Municipal de Resende, com entrada franca.

Erro do RA: Ontem, não sei porque cargas d'água, postei uma notícia totalmente equivocada sobre a programação da Mostra de Cinema Digital que corrijo, tardiamente, agora: o Curta de Terça, "Disque Auto-Ajuda", foi apresentado segunda-feira (junto com "O Olho do Canhão", "Playmetrópolis" e "Cowboy on the Rocks") e não ontem, que foi o dia de "Cipriano", "Auto-Sexo", "Funeral" e "A Carta". Isso é o que dá passar o domingo correndo atrás dos carros da Ampla: acabei tendo um apagão cerebral! Mil desculpas ao grande Lu e à todos os valentes organizadores da Mostra. Prometo, a partir de hoje, dizer a verdade, somente a verdade, nada mais que a verdade.

Share

Velhos tempos



Redação de O Globo, onde trabalhei um dia...
(Foto subtraída do Blog da Cora)

Share

Old games



Tem coisas que nunca evoluem...


Resolução do RA: Decidi que não vou escrever uma única palavra sobre o PAC e, muito menos, sobre o PACMAN. Blablablá, blablablá, blablablá? Tô fora!

Share

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

Internautas brasileiros batem recorde

Publicado na Folha Online

Os internautas residenciais do Brasil superaram as 21 horas de navegação mensal pela web. A informação se refere ao mês de dezembro de 2006 e foi divulgada nesta terça-feira pela Ibope/NetRatings, empresa do grupo Ibope.

A internet residencial brasileira foi marcada por uma série de recordes em 2006, segundo o Ibope. Um deles foi passar dos 14 milhões de usuários mensais e consolidar-se na liderança de tempo de navegação. O total de usuários ativos de internet residencial no Brasil em dezembro de 2006 foi de 14,4 milhões de pessoas, 18% maior que o de dezembro de 2005. São consideradas usuários ativos as pessoas que acessam a web ao menos uma vez por mês de casa.

O tempo de navegação continuou a crescer e chegou a 21h39min por pessoa, 8% mais que em novembro, mantendo o Brasil com o maior tempo médio de uso entre os dez países medidos com a mesma metodologia - Espanha, Japão, Reino Unido, EUA, Austrália, França, Alemanha, Suíça e Itália.

"Foi o oitavo mês seguido em que o tempo por usuário residencial no Brasil ficou acima das 20h mensais e a primeira vez que passou das 21h", afirmou o analista José Calazans, do Ibope.

Os principais interesses dos brasileiros na internet continuam sendo buscadores, portais e comunidades, com mais de 13 milhões de usuários únicos por mês, e comunicadores de mensagens instantâneas, com tempo de uso acima das 5h mensais por pessoa.

Share

O homem mais odiado do planeta



No Quênia, mais uma 'homenagem' ao serial killer Bush
(Foto AFP)

Share

Bush bate recorde de impopularidade

Da Folha Online

George W. Bush enfrenta a taxa mais baixa de popularidade e a maior oposição às suas políticas desde que assumiu a Presidência norte-americana, em 2001, de acordo com uma pesquisa feita pelo jornal "Washington Post" e a TV ABC News. Na pesquisa, os entrevistados disseram confiar mais nos democratas do que em Bush para lidar com a guerra no Iraque (60% a 35%), 65% disseram se opor ao envio de mais tropas ao país e 59% querem que o Congresso bloqueie o plano que prevê aumento de tropas no Iraque. Para 66%, iniciar a guerra foi um erro. Na pior avaliação em uma década, 71% das pessoas disseram que o país está na direção errada.

Pitaco do RA: É, american friends... Custou mas demorou! Antes late do que never.

Share

Curta de terça

Leia o post Curtas de quarta, lá em cima, principalmente o clamoroso Erro do RA.

Share

segunda-feira, 22 de janeiro de 2007

Imagem de segunda



O pinheirão de Campos Elíseos já cansado de tanta chuva

Share

Hoje no Auditório da Câmara Municipal



I Mostra de Cinema 'Câmara Digital', a partir das 20 horas

Share

I Mostra de Cinema 'Câmara Digital'

Enviado por Lu Gastão

Uma revolução audiovisual está em curso em todo o mundo com o surgimento das câmeras digitais. Seja através de uma filmadora, de uma máquina fotográfica ou até mesmo de um celular, é possível captar atualmente imagens em movimento de qualidade. A famosa frase cunhada nos anos 60, "Uma idéia na cabeça e uma câmera na mão" profetizou o que só iria acontecer verdadeiramente 40 anos depois. E para provar que muitas idéias se transformaram em filmes, a Câmara Municipal de Resende organizou a I Mostra de Cinema "Câmara Digital", que entre os dias 22 e 26 de janeiro, sempre às 20h, apresentará ao público de Resende trabalhos realizados no formato digital.

Durante cinco dias serão exibidos gratuitamente no auditório da Câmara Municipal, longas e curtas-metragens de vários cantos do país. Segundo Luís Arnaldo Gastão, o curador da mostra, a reunião de todos estes filmes só foi possível graças aos contatos feitos através da internet com cineastas de todo o Brasil. "Através de sites como o Orkut foi possível encontrar pessoas que fazem filmes no Piauí e no interior do Pará", revela o organizador da mostra que conseguiu ainda longas de São Paulo e Rio de Janeiro.

A variedade de temas é outro ponto positivo da I Mostra de Cinema "Câmara Digital". A lista inclui dois documentários e três filmes de ficção. Para abrir o evento foi escolhido "O Olho do Canhão", documentário de Pedro Rosa que busca jogar luz sobre a história dos fortes e fortalezas da Baía de Guanabara. O roteiro deste filme é assinado pelo resendense Jorge Colistet que ao lado do diretor fará uma explanação sobre o filme após a sessão. Na terça feira será a vez de "Cipriano" encantar a platéia da cidade. Dirigido por Douglas Machado, o filme faz uma viagem ao imaginário latino-americano através de uma peregrinação pelos sertões nordestinos.

No terceiro dia da mostra será exibido o documentário "Regatão – O Shopping da Selva" de Mariza Leão e Marcelo Laffitte. O filme faz um passeio pelo Amazonas a bordo de um barco de regatão, o comercio fluvial que abastece as cidades ribeirinhas. Na quinta-feira será exibido "Céus de Fuligem", ficção científica de Márcio Napoli sobre um artefato espacial que cai sobre a cidade de São Paulo assombrando os quatro cantos do planeta. As exibições se encerram na sexta-feira com o filme "Ajuê São Benedito", longa-metragem feito no interior do Pará pelo cineasta Paulo Miranda e que conta a luta de um grupo de seringueiros para libertar-se do trabalho escravo.

Todos os filmes de longa-metragem serão precedidos pela exibição de curtas. Aqui também a variedade de temas servirá de atrativo para o espectador. A sexualidade em filmes como "Auto-Sexo" e "A Carta", ambos de Rafael Saar; formas variadas de animação como em "A Noite" do resendense Ângelo Tramezzino ou "Cowboy on the Rocks" e "Playmetrópolis" realizados por alunos da ECA em São Paulo; o encontro de quatro atrizes no filme "Chá!!! Ou Capota, Mas Não Breca" de Ayrton Batista Jr.; ou uma invasão de marcianos em Penedo em "A Invasão Alien" de Nina Bellotto, Dedeco e Leondre; num total de dezesseis curtas-metragens selecionados para o evento que fará também a pré-estréia do filme "Disque Auto-Ajuda" de Pablo Bedê.

Share

domingo, 21 de janeiro de 2007

Imagens de domingo


No início da tarde, nuvens carregadas chegam a Resende

Share


E um céu de chumbo envolve os prédios da cidade

Share


Mas a chuva sempre cai primeiro na serra

Share


Um homem a serviço da Nova Dutra fica de olho no céu

Share


Enquanto os colegas refazem o asfalto do trevo da Graal

Share


Se nossas ruas fossem tratadas assim, não haveria tantos buracos

Share


No melhor da festa, chega a tempestade vinda de São Paulo

Share


Obrigando as máquinas a interromper o serviço

Share


Que só deve ser retomado amanhã, se o tempo melhorar...

Share


Hora de tomar o costumeiro expresso e comprar os jornais

Share

Correndo atrás da Ampla

Logo depois que voltei do meu giro dominical, a chuva já quase parando, computadores ligados, fotos sendo transferidas da câmera fotográfica, outro apagão! O terceiro em uma semana!! Nessas horas, vocês sabem, meu ódio da Ampla chega à estratosfera!!! E aí, não havia mais o que fazer além de descer oito andares de escada, pegar o carro e sair em busca de uma luz para o eterno problema dos AMPLOS apagões resendenses.

Na saída da garagem, vejo um jipe da concessionária parado na rua Sebastião José Rodrigues (próximo da Casa das Frutas) e decido dar a volta no quarteirão para fazer uma foto. No entanto, quando chego na esquina da Gulhot Rodrigues, nem sinal do jipe! Sigo, então, para o bairro Montese, onde aconteceu o último problema, poucos dias atrás. No caminho, cruzo com um carro da Ampla descendo a avenida Castelo Branco. Retorno e vou atrás dele. Daí a pouco, encontro o dito cujo parado de frente ao HSBC, o motorista parecendo perdido, olhando o alto de todos os postes ao redor.

Em seguida, ele dá o balão e sobe a Castelo Branco em direção ao Montese. Vou atrás, mas no caminho avisto, numa das ruas do Montese, o jipe que estava na minha rua quando saí da garagem. Desisti da perseguição ao carro e fui em busca do jipe. Quando viro na rua Agulhas Negras, próximo ao Samer, dou de cara com ele indo em direção à casa do Mário Periquito. Dou meia volta e vou também. No final da rua, que acaba no rio, o jipe fica um tempo parado, o pessoal de dentro olhando o alto dos postes, parecendo também perdidos. Outra meia volta e lá vão eles novamente.

Subindo a avenida Dorival Marcondes Ferraz, o jipe da Ampla pega a entrada do bairro Morada do Castelo, mas ao invés de seguir em frente, entra numa ruazinha sem calçamento (e com muito barro) debaixo do viaduto. Como a viatura do RA não é jipe nem tem tração nas quatro rodas, desisto da perseguição. Já voltando para casa, debaixo de muita chuva, vejo do outro lado da avenida o tal carro da Ampla parado na tal rua do Montese, debaixo de um poste. Sem dúvida, o problema era ali. E eu fui pra lá. Passei duas ou três vezes no local, bem devagar para fazer algumas fotos e, finalmente, fui embora.

Tudo isso me serviu para acabar com uma certeza. Até hoje, eu achava que os sofisticados computadores da Ampla (têm que ser, pelas tarifas que ela cobra!) indicavam exatamente o local que ocorreu o desligamento da energia elétrica, tipo rua tal, poste tal, transformador tal, etc, etc. Nada disso. Quando acontece o apagão, os caras sabem, no máximo, os bairros que foram atingidos. E isso porque alguém deve ligar avisando! Aí, vão andando de poste em poste até encontrar o problema.

Agora está explicado porque cada apagão costuma durar quase uma hora... Só que a questão não é essa, ou seja, ao consumidor que paga uma das tarifas de energia elétrica mais caras do planeta, só interessa a certeza de que essa energia não será interrompida toda vez que chove um pouco mais forte. Só interessa a certeza da contrapartida de um serviço de qualidade, digno de qualquer cidade com mais de 50 mil habitantes (Resende tem mais que o dobro disso!). E não que haja homens dispostos a andar pela cidade debaixo de chuva atrás de um transformador desligado.

Share


Carro da Ampla 'perdido' em Campos Elíseos

Share


Lá vamos nós...

Share


Olha quem está por aqui...

Share


Parece que nossos heróis encontraram o problema

Share


Que não era nada mais que um transformador desligado

Share


E o dia chega ao seu final com uma chuva de matar sapo

Share

Imagens de sábado


Perto de quatro da tarde, a Beira-Rio lotada de carros...

Share


Gente de todo lado...

Share


E a razão de tudo isso...

Share


É uma das paixões de cariocas e fluminenses

Share


Que enfrenta a Portuguesa no Estádio do Trabalhador

Share