Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Aviso aos navegantes

Nós - a numerosa equipe do RA - estamos de férias a partir de hoje. A todos os amigos, virtuais ou não, um Feliz Natal e um 2006 de muita paz e nenhum mensalão! Retornamos no dia 20 de janeiro. Até!

Share

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005


Elton John e o parceiro David Furnish, felizes para sempre
(Foto Reuters)

Share

O casamento do ano

Do UOL Notícias

O pop star britânico Elton John vai se casar nesta quarta-feira com seu parceiro de longa data David Furnish, unindo-se a centenas de casais gays da Inglaterra que aproveitam de uma nova lei para formalizar suas relações.

Os dois participam de uma cerimônia de parceria civil na cidade de Windsor, oeste de Londres, no mesmo local em que o herdeiro do trono britânico, o príncipe Charles, casou-se com Camilla Parker Bowles em abril.

Dezenas de repórteres de todo o mundo dirigiram-se para o centro da cidade e muitos fãs e curiosos foram ver de perto o que é considerado o "casamento" do ano no showbiz.

"Ele é tão conhecido, ajudou muito o mundo gay ao ser tão franco", disse Bob Charles, de 66 anos. Charles e seu parceiro de 40 anos Roy Williams planejam uma cerimônia semelhante para fevereiro. "Começamos a lutar por esse tipo de legislação nos anos 60", contou Charles.

Apesar da cerimônia de John ser simples, ele planeja uma festa para 700 pessoas em sua mansão, perto de Windsor.

Share


Lula prefere pagar dívida com FMI a fazer reformas
(Foto Reuters)

Share

Para 'The Guardian', Lula é mau exemplo

Do UOL Notícias

A nova geração de presidentes esquerdistas eleitos na América do Sul, que ganhou nesta semana a companhia do boliviano Evo Morales, deve prestar atenção no exemplo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para evitar os mesmos erros cometidos pelo governo brasileiro, segundo um artigo de opinião publicado nesta quarta-feira pelo jornal britânico The Guardian.

O artigo, assinado por Sue Branford e Hilary Wainwright, diz que a experiência do Brasil é uma advertência às demais administrações esquerdistas de que se pretendem conseguir uma mudança política real eles devem "contar com suas próprias bases sociais como contrapartida para os poderes constituídos".

As autoras dizem que quando Lula foi eleito, "muitos latino-americanos esperavam que ele mostraria um caminho radical , não violento, para sair de séculos de pobreza e exclusão. Porém, no governo, Lula tem sido mais cauteloso e conservador, indo ainda mais além das exigências do FMI e sacrificando as reformas sociais para pagar as enormes dívidas externa e interna", diz o texto.

"Pior ainda: desde maio, uma série de revelações dramáticas mostrou que o PT esteve envolvido no mesmo tipo de corrupção contra a qual os ativistas se aliaram ao partido.”

O artigo relata que o que ainda resta da esquerda no Brasil considera que uma mudança real "requer a incorporação dos pobres dentro do sistema político para que possam prover apoio permanente a um governo radical conforme ele entre em confronto com os poderosos interesses escusos".

"Conforme a América Latina inicia um período de intensa atividade eleitoral, que pode levar ao poder mais líderes esquerdistas, essa é uma lição de advertência na qual os futuros governos fariam bem em prestar atenção", conclui o artigo.

Share

Os erros da Folha

Do site Comunique-se

"A 'Folha' cometeu uma média diária de 0,80 erro por coluna de texto, quase cinco erros por página, um total de aproximadamente 150 erros por dia". A afirmação é do ombudsman do jornal Folha de S.Paulo, Marcelo Beraba, em sua análise publicada na edição do dia 18/12. A íntegra do texto está disponível no site do jornal, mas só para assinantes.

No texto intitulado "Em bom português", Marcelo Beraba, analisa o aumento de erros e reproduz trecho da carta de uma leitora que afirma: "Já deu até para se acostumar com tamanhas barbaridades, mas (...) foi difícil engolir a palavra acento designando o assento de uma cadeira."

Segundo o ombudsman, "o jornal teve uma média diária de 0,62 erro por coluna em 2003, quase quatro erros por página. No início de 2004, o Programa de Qualidade definiu uma meta aceitável de até 0,52 erro diário por coluna de texto. O primeiro semestre fechou com uma média igual à de 2003, 0,62. Em julho, ocorreram os cortes na Folha que reduziram as equipes. No final do ano, a média do segundo semestre foi de 0,65 erro por coluna.

Diante das dificuldades provocadas pelos cortes e devido à redução da equipe de Qualidade, o jornal suspendeu a definição de metas para 2005. Os erros continuaram a crescer. Em janeiro, a média diária deu um salto para 0,82 (cerca de cinco erros por página) e o primeiro semestre terminou com uma média de 0,71. Em julho e agosto, esse índice foi de 0,78, em setembro, pulou para 0,84 e em outubro, ficou em 0,83. Em novembro, houve uma queda para 0,76 (-9% em relação a outubro), mas ainda assim é um índice muito alto.

Onde mais se erra é nas editorias diárias. Elas estão com equipes menores e com fechamentos mais complicados, o que aumenta a possibilidade de erros. Mesmo a Primeira Página, principal vitrine do jornal, tem um índice relativamente alto: 0,27 erro em novembro e 0,25 no semestre."

Share

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

E fez-se a luz!


Diversas lâmpadas queimadas do Calçadão foram trocadas ontem

Share

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

A frase do dia (ou da noite) do Blog do Noblat

- Realmente, eu tinha um tipo físico que era um padrão de beleza no mundo todo. Sabia que era especial.

José Dirceu, relembrando o passado em depoimento para o projeto Memória do Movimento Estudantil.

Share

Parabéns pra você!


O panda Ba Si come bolo no seu aniversário de 25 anos
(Foto EFE)

Share

A fuga do seqüestrador e o trampo do Zé Dirceu

Notas enviadas por Cesar Maia (via e-mail)

Lembram-se do seqüestro do publicitário Washington Olivetto realizado por um grupo radical de esquerda? Depois, o chefe do bando foi transferido para uma prisão do Chile. Ontem, de acordo com o jornal 'La Tercera', ele fugiu:

"Cristián San Martín, el mirista implicado en Brasil en el secuestro del empresario Washington Olivetto y preso desde el 2004 en Temuco por el asalto a una sucursal bancaria en Loncoche, se fugó ayer desde el Centro Penitenciario de esa ciudad. El reo escapó junto a otro recluso, Marcos Cerón, quien estaba preso por una condena por robo con intimidación."

Já o Zé Dirceu parece que descolou um trampo:

Um jornal com nome nacional ofereceu ao ex-deputado José Dirceu um emprego que não dá para dizer não. Diria que são as melhores condições do mercado. E que condições! Ficou acertado que Dirceu começará depois do Carnaval.

Share

Dia de sorte


Encontrado hoje no saldão das Lojas Americanas

Share

Woody Allen diz ser diretor "medíocre"

Da Folha Online

O diretor de cinema americano Woody Allen fez jus à sua reputação de pessimista inveterado no domingo, ao se definir como um diretor "medíocre", "de trabalho lamentável", por ocasião da estréia britânica de seu último filme, "Match Point".

"Na maioria das vezes, sinto-me decepcionado com meus filmes", admitiu o cineasta nova-iorquino em entrevista à rede pública britânica BBC.

"As pessoas acham que sou um intelectual, porque uso óculos, e acham que sou um artista, porque meus filmes dão prejuízo, mas de fato sempre tive uma vida de pequeno burguês totalmente normal", afirmou. Ele disse ainda ter se "casado várias vezes, não beber, não usar drogas e não ser verdadeiramente neurótico".

Allen comentou que sua relação com o público americano não mudou. "As pessoas não iam ver meus filmes e agora, tampouco, vão vê-los", afirmou.

Sobre sua ampla filmografia, avaliou que foi "um dos ganhadores do Oscar que conseguiu menos dinheiro" com seus filmes, ao se referir ao aclamado "Hannah e Suas Irmãs" (1986) e "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa" (1977).

Muito crítico em relação ao seu trabalho, Woody Allen qualificou o conjunto de sua obra de "lamentável", mas considerou "bons" três de seus 40 filmes: "A Rosa Púrpura do Cairo" (1985), "Maridos e Esposas" (1992) e "Match Point" (2005).

Share


A exemplo da cantora Ana Carolina, Ronaldinho agora é bi
(Foto AFP)

Share

Ronaldinho é novamente o melhor do mundo

Do UOL Esporte

O brasileiro Ronaldinho Gaúcho é, pelo segundo ano seguido, o vencedor do prêmio de melhor jogador do mundo. No triunfo mais certo dos 15 anos de existência da eleição, o astro do Barcelona consegue o feito de ganhar com a maior diferença de pontos da história do pleito.

Ronaldinho conquistou o bicampeonato no prêmio da Fifa de melhor do mundo com 956 pontos, 650 à frente do inglês Frank Lampard, segundo colocado. O camaronês Samuel Eto'o, seu companheiro no Barcelona, ficou em terceiro com 190 pontos.

Com este placar, o meia-atacante de 25 anos consegue a maior vitória da história do evento, superando o recorde do compatriota Ronaldo, que em 1997 triunfou com 415 pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o também brasileiro Roberto Carlos. O atual sistema de pontuação entrou em vigor no ano passado.

A vitória deste ano também é muito mais folgada, por exemplo, do que a conquista de 2004, quando Ronaldinho derrotou o atacante francês Thierry Henry por apenas 68 pontos de diferença.

"Não sinto hoje o melhor ou o pior jogador do mundo. Me sinto o mais feliz de todos", disse Ronaldinho. "Volto ao prêmio com muita alegria. Espero ter a oportunidade de disputar em muitos outros anos", completou o craque do Barcelona.

Mais dois brasileiros ficaram entre os 10 primeiros colocados na eleição. Adriano, da Internazionale, foi o quinto colocado, com 176 pontos. Kaká, do Milan, foi o oitavo, com 101. A quarta colocação ficou com o francês Thierry Henry, do Arsenal. Vice nos dois últimos anos, em 2005 Henry somou 172 pontos.

Share

domingo, 18 de dezembro de 2005

Bush ultrajado

Deu agora há pouco no Fantástico: O roqueiro Roger, da banda Ultraje a Rigor, tem o QI mais elevado que o de Bush. Até aí, nada de mais. Só não sei se esse resultado é mais constrangedor para o Senhor da Guerra ou para o autor do clássico 'A gente somos inútil'.

Share

As personalidades do ano da revista Time

Do UOL Notícias

A revista Time anunciou neste domingo a escolha do cantor Bono e do casal Bill e Melinda Gates como personalidades do ano de 2005. Segundo a revista, eles foram escolhidos por seus esforços em favor da justiça e por sua capacidade de "servir aos demais".

Bill Gates, fundador da Microsoft, é um dos homens mais ricos do mundo. Gates criou uma fundação com sua esposa Melinda para ajudar na luta contra as doenças nos países pobres. Quanto a Bono, o cantor irlandês foi um defensor incansável da causa dos países mais desfavorecidos.

Share


Os bons samaritanos: Bill Gates, Bono e Melinda Gates

Share


A cantora Ana Carolina em matéria especial da Veja

Share


O RA agradece o belo cartão do vereador Fernando Menandro

Share

Mural Dominical


O encolhimento do ensino médio e as novas revelações do Bob Jeff

Share

''Não envolvi Lula por estratégia''

Entrevista: Roberto Jefferson

Publicada hoje no JB Online

Na última quarta-feira o país viu o deputado Romeu Queiroz (PTB-MG), que confessou ter recebido recursos de Marcos Valério Fernandes de Souza, ser absolvido. Nesse mesmo dia, o precursor da crise, ex-deputado Roberto Jefferson, colega de partido de Queiroz, completava três meses fora do Parlamento onde legislou por 22 anos.

Aos 52 anos, Jefferson voltou a ser advogado e tem dividido o tempo entre o escritório no Centro do Rio e viagens para participar de julgamentos. Foi em sua sala de trabalho, que deu essa entrevista ao Jornal do Brasil. Decorada com duas cabeças de índios norte-americanos, um quadro da avó e um cartaz do musical Fantasma da Ópera, a sala é também o local de seus ensaios de canto. Um piano e um pequeno som fazem a base para que o homem que derrubou a cúpula do Planalto solte a voz.

Pedimos que ele cantasse uma música. Cantou cinco italianas: Caruso, Champagne, Con Te Parteró, Dio como te amo e o tema do filme O Poderoso Chefão. Hoje, Jefferson se diz cansado de ódio e planeja voltar a presidir o PTB. Nas eleições de 2006 pretende viajar pelo Brasil ajudando os amigos que estiveram ao seu lado. Não sabe, no entanto, em quem votará para presidente: "No Lula, nunca mais. Tem três coisas que só se faz uma vez na vida: nascer, morrer e votar no PT."

A entrevista:

O deputado Romeu Queiroz não foi cassado e se fala em um acordão para salvar os denunciados. Em que bases seria esse acordo?

– Desde o início as duas cabeças escolhidas para serem cortadas foram a minha e a do José Dirceu. Não creio que haja nenhuma outra cassação. Eu, porque foi quem denunciou o mensalão e o Zé Dirceu porque é acusado de ser o chefe. A partir da minha cassação já caiu muito o movimento das CPIs e agora, a partir da cassação do Zé Dirceu, quase não existe mais movimento. Quer dizer, o Romeu Queiroz, contra quem pesou uma acusação de receber em conta R$ 450 mil, saiu. Se ele saiu, como se cassa o Professor Luizinho por R$ 20 mil, o João Paulo Cunha por R$ 50 mil e o Mentor por R$ 150 mil? Acabou.

Mas o senhor acredita em acordão?

– O acordão foi do PT e do PSDB. Você repare que no Supremo Tribunal Federal não há clima para se investigar nenhum fundo de pensão, de quebrar o sigilo de nenhuma corretora, a CPI não avança nisso. Nos fundos de pensão se pega o PT fortemente e se chega ao PSDB. Qual foi o acordo: toma a cabeça do Zé Dirceu, não cassa o senador Eduardo Azeredo (então presidente do PSDB) nem se mexe no fundo de pensão que atinge os governos do Lula e Fernando Henrique.

De que forma?

– Muita manipulação. São muitos recursos mal aplicados, gestão temerária mesmo, levando muito prejuízo aos fundos. Tanto na época do Fernando Henrique quanto agora no governo do Lula. O acordo se dá em torno disso. Aí é que está o caixa dois.

Quem fazia parte dessa organização e quem era o beneficiário?

– Os beneficiados eram os partidos. Esses processos de privatização foram financiados pelos fundos de pensão. Quem tem dinheiro hoje são os fundos aliados aos grandes bancos. O famoso mercado financeiro. O patrão do governo Fernando Henrique como o do governo Lula é o mercado financeiro. Os bancos exercem o papel de patrão nesses dois governos.

O PSDB também se beneficiou?

– Claro. Eles usaram fortunas nos processos de privatização com reversão para interesses partidários. Na época houve várias denúncias que não foram apuradas. Em relação ao PT, a mesma manipulação não está sendo apurada. Claro, cumpriu-se o acordo PSDB-PT. Um protege o outro. Faz aquele joguinho como se estivessem fazendo grande oposição um ao outro, mas não fazem. Não cassam o Eduardo Azeredo por quê? Quem mais levou dinheiro do valerioduto foi ele, R$ 12,5 milhões. Mais do que o PL, o PP, mais que todo mundo e ninguém pediu a cassação. Isso é acordo. Por que o PSDB, que podia pedir o impeachment do Lula, não o fez?

Mas alguém do governo era beneficiado diretamente por essas aplicações dos fundos de pensão?

– É claro, o partido do governo, o PT. Isso dá muito recurso para campanha. Você veja, esse fundo de pensão de Furnas, o Real Grandeza, em uma aplicação mal-feita perdeu R$ 150 milhões. O presidente dele foi indicado pelo Jorge Bittar (PT-RJ), mas já foi exonerado. O fundo perdeu no Banco Santos R$ 150 milhões. Como é que um fundo de pensão aplica num banco de terceira linha sem nenhuma garantia? Gestão temerária.

Isso volta para o partido a partir dos próprios bancos que se beneficiaram da operação?

– Claro. Eles são abastecedores das contas de Marcos Valério. Os depósitos têm origem nesse dinheiro.

Esse dinheiro dos fundos voltava via caixa dois para os partidos?

– Sim, através das corretoras. Por isso não se consegue quebrar o sigilo das corretoras. Porque você vai pegar um monte de dinheiro sendo transportado para essas contas de fantasmas, de operadores de partidos.

No exterior também?

– Sim. Vai ser um barulho nacional: pega duramente no PT e no PSDB, por isso não passa.

Agora, o senhor falou que houve um acordão que beneficiou o PT e o PSDB. O senhor fez parte desses dois governos. Depois de cassado, se sentiu traído por eles?

– Não. Fui traído pelo Lula naquele negócio do Maurício Marinho nos Correios. Eu estava incomodando o governo, porque ia aos ministros, denunciava o mensalão. Fui a vários ministros dizer: "Está tendo o mensalão". Fiz isso várias vezes. Aí surge aquela história do Maurício Marinho recebendo R$ 3 mil numa plantação que a Abin (Agência Brasileira de inteligência) fez para tentar colocar um crime na minha vida e na do PTB.

E o que o senhor fez?

– Conversei com o Zé Dirceu e ele falou: "Roberto, você entende, eu não tenho nenhuma ingerência sobre o ministro da Justiça. Não parte de mim esse comando para atingir você nem o PTB". Se ele não tinha ingerência sobre o ministro da Justiça, quem tinha? Eu sabia que era o Lula, mas precisava devolver aquilo. Mas, sabia que o Lula eu não poderia atingir. Atirei então em volta dele. Peguei firme no Zé Dirceu e no Luiz Gushiken (chefe do Núcleo de Assuntos Estratégicos). E a conseqüencia é essa toda que você está vendo.

O senhor sempre repetiu que o presidente Lula não estava envolvido no mensalão. Hoje o senhor repete isso?

– Sempre entendi que o Lula sabia, eu só não tinha como provar. Já era difícil confirmar minha versão sem colocar o Lula na história. Se eu o colocasse então, nunca conseguiria afirmá-la. Foi uma estratégia. Atingi em volta, aquele núcleo duro do governo, e preservei o Lula. Bati duro no Zé Dirceu, no Gushiken, no Antonio Palocci (ministro da Fazenda), mas aí foi uma correria em cima de mim. Vários empresários do Rio e de São Paulo vieram me pedir para não desestabilizar a economia. Aí não peguei nele.

Mas de que poderia tê-lo acusado?

– Disse a ele três vezes sobre o mensalão e ele nada fez. E o Palocci ainda tem um agravante, porque o Coaf é subordinado a ele. Se você sacar R$ 100 mil, o Coaf avisa ao ministro. Então, ele não sabia que o Marcos Valério havia sacado R$ 55 milhões em dinheiro? É claro que sabia. Mas foi poupado porque o mercado não quer desestabilizar a estrutura que tem favorecido aos partidos.

O senhor falou que foi uma estratégia de defesa não envolver o Lula. Em que ponto o senhor tem certeza da participação dele?

– Os três ministros do núcleo duro dele sabiam, montaram o mensalão, alugaram a base parlamentar. Você acha que o presidente não sabia? Os três mosqueteiros do rei sabiam e o rei não sabia? Eles agiam em causa própria sem que o Lula soubesse? É claro que o Lula sabia.

O senhor afirma que foi ele que deu a ordem para iniciar o mensalão?

– A inteligência foi feita pelos três ministros do núcleo duro e o Lula aprovou. Eu só não podia provar. Se não acusando o Lula já fui cassado, imagina se eu acuso? Fui ao meu limite.

Se arrepende de alguma coisa?

– Nada. Faria tudo outra vez.

No caso da absolvição do Romeu Queiroz, pode ter havido corrupção?

– Não. Há uma articulação hoje do governo que não houve nem em meu favor, nem em favor de Dirceu. Ministros trabalharam pela absolvição do Romeu Queiroz. Como vão fazer agora em relação aos outros? Não tenho dúvidas. Não envolveu dinheiro nisso. É uma articulação política de salvar os deputados.

Porque é tão importante para o governo salvá-los?

– O governo sabe que acabou. Ele precisa sobreviver pelo menos até as eleições com alguma base parlamentar para aprovar seus projetos. Se desandar, o governo acaba e tem uma gravíssima crise econômica. Se passar para o mercado financeiro nacional e internacional que o governo perdeu as rédeas do Congresso, o governo acaba. Porque a instabilidade política gera insegurança de mercado. Por isso que o governo vai acertando sua base, para não ficar sozinho. Porque se ficar sozinho, sucumbe.

O PT já sucumbiu?

– Foi desmascarado. Todo o discurso do PT era mentira. Tudo o que ele metia o bodoque nos outros, fez pior. Olha a conta do PC Farias: ela chega no máximo a US$ 400 milhões, a do Marcos Valério chega a US$ 2 bilhões. O PC Farias é ladrão de galinha e o pior, as contas do PC eram no Brasil, o esquema do PT é internacional. O Duda Mendonça recebeu do PT em paraíso fiscal. O Dirceu me disse que não estava podendo cumprir o acordo com os partidos da base na eleição porque haviam sido presos 62 doleiros e que eles estavam impossibilitados de internar dinheiro. Todo o esquema era montado lá fora. Isso o Collor não fez. É uma corrupção muito mais sofisticada, mais inteligente.

O governo está com dificuldade de aprovar projetos importantes...

– Você pode ter certeza que é falta do mensalão. Agora está todo mundo de bico seco e ninguém tem mais estrutura de poder. Viciou. É igual cão pastor que toma sangue de ovelha. Só tem um jeito: matar. Porque nunca mais vai deixar de tomar sangue de ovelha. Aquela mesada virou um vício. Porque o cara que ganha mesada compra um carro novo, arruma duas amantes, aluga o apartamento da amante. Acabou o dinheiro, como vai pagar o apartamento da amante e a prestação do carro? Acabou. O certo teria sido dissolver esse Congresso e convocar uma eleição geral, até do Lula. O governo agoniza. Vai ser levado agonizando até a eleição de outubro do ano que vem.

Pode voltar a ocorrer o mensalão?

– É quase impossível. A imprensa está muito atenta e se perceber, denuncia. Ninguém segura mais a mídia.

O senhor foi cassado por denunciar sem provas o mensalão e o José Dirceu por ser chefe do mensalão que o senhor não provou.

– Isso a Comissão de Ética tem de explicar ao Brasil. Ela é farisaica. Ali todo mundo faz pose de Zeus da ética para lavar a cara. E todo mundo tem os vícios de todo mundo. Se há tantos errados como você tem meia dúzia de perfeitos? Todos sem exceção de um daquela Comissão de Ética foram eleitos pelo caixa dois. Se nós presidentes recebíamos em nome de nossos partidos caixa dois, você acha que os deputados não foram financiados pelo caixa dois? É claro.

Os R$ 4 milhões que o senhor recebeu foram para financiamentos de campanha?

– Você acha que eu fiquei com o dinheiro para mim? Claro que não. Se não eles me expulsavam, me punham para correr do partido.

Share

sábado, 17 de dezembro de 2005


O presidente Lula durante comício em Recife
(Folha Imagem)

Share

Lula sóbrio e descontrolado

Enviado por Cesar Maia (via e-mail)

Lula - acompanhado de Chavez - mostrou total descontrole no comício de ontem (sexta-feira) em Pernambuco. Atacou a imprensa, apoiou Evo Morales, voltou a insinuar que a oposição é golpista e se deliciou junto a um chefe de estado agredindo um país que mantém relações normais com o Brasil e do qual o Brasil o tem como seu maior importador - os EUA.

O descontrole levou a que dirigentes dos partidos de oposição fizessem uma rodada na noite de ontem para preparar medidas preventivas em relação a uma escalada de provocações de Lula, ao uso da violência pelas claques lulistas e, também, à possibilidade de um golpe de Estado - dito branco.

A este nível de descontrole, a conjuntura brasileira se torna instável, com todas as repercussões politicas e econômicas possíveis. À oposição restava uma esperança, a de que Lula tivessse bebido. Mas autoridades que estavam próximas a ele, garantiram que o presidente, embora exaltado, estava sóbrio.

Share


A modelo Gianne Albertoni posa para JR Duran

Share

Pequena Sereia

Por JR Duran (via e-mail)

Gianne Albertoni tem a capacidade, quando quer, de se transformar no perfeito exemplo de mulher dos anos setenta. Para a matéria da revista I, distribuída exclusivamente no Shopping Iguatemi, de São Paulo, ela foi a garota da praia - de St. Tropez, por exemplo - imaginada pelo editor Giovanni Frasson.

Share

Ontem, no Congresso Nacional


Um paletó solitário fez as honras da casa (Folha Imagem)

Share

Malandragem, dá um tempo!

Da Folha Online

No primeiro dia da convocação extraordinária, o Congresso Nacional funcionou ontem como toda sexta-feira: poucos deputados e senadores trabalhando. O presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), não apareceu e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), chegou à Casa no início da tarde.

Na CPI dos Correios, apenas o relator Osmar Serraglio (PMDB-PR) e o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) marcaram presença. A Comissão Mista de Orçamento foi representada também pelo relator, deputado Carlito Merss (PT-SC). Discussões e negociações devem ficar mesmo para 2006.

Os costumeiros 14º e 15º salários

O custo da convocação extraordinária será próximo a R$ 95 milhões, repartidos da seguinte maneira: R$ 50 milhões para a Câmara e R$ 45 milhões para o Senado. Cada um dos 513 deputados e 81 senadores receberá R$ 25.694,40 (dois salários), além do salário normal (e do 13º salário).

Pitaco do RA: Como só vai "trabalhar" na convocação extraordinária quem fizer parte de alguma das CPIs, a maioria dos congressistas tem férias remuneradas (e como!) até o dia 16 de janeiro, quando serão retomadas as votações em plenário. Isso é o que podemos chamar de um verdadeiro Golpe de Estado!

Share

Ontem, em Pernambuco


Chávez chaveca estudante...

Share


... e Lula chaveca Chávez (Fotos Agência Folha)

Share

sexta-feira, 16 de dezembro de 2005


Heloísa Helena exibe o seu presente de amigo oculto

Share

Vestida para matar

Do Blog do Josias

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) promoveu na noite de quarta-feira, na residência oficial da presidência do Senado, uma festa de amigo oculto entre os senadores. Ninguém brilhou mais do que Heloisa Helena (PSOL-AL), aquela senadora enfezada que costuma comparecer ao Congresso metida num uniforme invariável: calça jeans e camiseta.

A Heloisa da festa em nada lembrava a Heloisa do plenário. Desfilou por entre as mesas envergando um vestidinho preto, do tipo tomara-que-caia, barra acima dos joelhos. Distribuía sorrisos. Atônito, o senador Heráclito Fortes (PFL-PI) não se conteve: "A Heloisa Helena saiu do armário"

Ao final da troca de presentes, a senadora ganhou um agrado extra dos colegas: uma peixeira. Reza-se agora para que a cabra da peste não leve o mimo a sério. Os colegas esperam que deixe o artefato em casa sempre que for para o Senado.

Share

Hoje, no Brasil


King Kong invade as salas de cinema de todo o país

Share

King Kong em Resende

Local: Cine Show (sala 1) no Resende Shopping

Horários: 13:15h - 16:45h - 20:15h

Duração: 3 horas

Censura: 12 anos

Share

Hoje, na Índia


Milhares de macacos invadem um povoado
(Agência EFE)

Share

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005


Brinde ao aniversário da promessa

Share

Mauá faz protesto por estrada

Do JB Online

A calma típica de quem vive cercado pela natureza e pela atmosfera hippie de Visconde de Mauá - pólo turístico da Região Serrana - não era, pelo menos ontem, uma característica de comerciantes e empresários da região. Insatisfeitos com o descaso do poder público com as rodovias de acesso à região, pela primeira vez eles desceram a Serra da Mantiqueira para, diante do Palácio Guanabara, cobrar da governadora Rosinha Matheus melhorias prometidas em campanha. Ironicamente, alguns pararam no meio do caminho porque um dos ônibus atolou na estrada que era tema do protesto.

- Foi preciso catar pedra para colocar no buraco e fazer muita força. Está todo mundo abandonado lá em cima. O turismo está caindo e os estabelecimentos falindo. Daqui a pouco não vai ter mais emprego para nós - preocupava-se Manuel Bernardino Sampaio, 67 anos, ainda com pés sujos de barro.

Mineiro, ele mudou-se para Visconde de Mauá para trabalhar no restaurante do filho, que saiu de casa aos 13 anos para se estabelecer na cidade. Assim como Manuel, outros moradores temem ter de abandonar a região e voltar para a vida urbana, em busca de oportunidades.

- Este ano o movimento caiu pelo menos 50%. Há um ano a governadora nos prometeu a construção da estrada-parque, mas, até agora, nada.

A estrada é de terra e precisa de manutenção urgente para os turistas quererem voltar - reivindicava Tino Brito, 30 anos, dono de dois dos 70 restaurantes da região. Mauá ainda oferece trilhas, cavalgadas, 206 cachoeiras e 150 pousadas - uma delas equipada com heliporto. Algumas chegam a cobrar R$ 900 por uma diária.

Munidos de faixas e apitos, os manifestantes fizeram um brinde com champanhe e cortaram um bolo para simbolizar o aniversário da promessa.

- Trouxemos a bebida para não estragar - lamentava Julio Buscimelli, outro dono de restaurante.

Segundo os manifestantes, 6 mil habitantes sobrevivem do turismo e do comércio, principais atividades da região, assim como a produção de queijos e outros derivados do leite e artesanato.

Uma comissão foi recebida pelo secretário de Governo e de Coordenação, Anthony Garotinho, que, de acordo com o grupo, prometeu para 2006 o início das obras nas rodovias RJ-163, de acesso a Visconde de Mauá, e RJ-151, que interliga suas diversas localidades. Até que o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) libere autorização para a obra nos 17 quilômetros de pista - o que deve acontecer em 60 dias - Garotinho, ainda de acordo com a comissão, ficou de providenciar junto ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER) melhorias emergenciais no local.

- Casemiro de Abreu já ganhou a sua estrada-parque, também prometida pela governadora, e Mauá não. Vamos ao Ibama cobrar a autorização. E, se o governo não cumprir o prometido, viremos de novo - disse a empresária Jussara Nunes.

O secretário informou, por meio de sua assessoria de imprensa , que o projeto anterior foi embargado pelo Ibama e outro projeto será encaminhado ao órgão. Com barreiras prestes a cair, buracos e sinalização precária, as rodovias são também uma ameaça constante.

- No ano passado, uma caminhonete caiu num córrego e sete pessoas morreram. Há alguns meses, fomos obrigados a dormir na estrada, que ficou interditada 24 horas - lembra a comerciante Veranil Diniz.

A precariedade da estrada atrapalha ainda o acesso aos serviços básicos. É preciso viajar cerca de duas horas para chegar ao hospital mais próximo, em Resende.

Share

Do Baú do RA


Coleção editada por Ana Maria Bahiana nos anos 70

Share

Câmara institui o 'Valérioinduto'

Da Folha Online

A absolvição do deputado Romeu Queiroz (PTB-MG), que teve o seu mandato parlamentar preservado pelo plenário da Câmara, surpreendeu alguns membros do Conselho de Ética. Para o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), a decisão dos seus pares sinaliza 'um salvo-conduto para quem cometer o crime de caixa dois'.

- Nesta noite, a Câmara instituiu o Valérioinduto - ironizou Alencar.

O resultado da votação do processo de cassação de Queiroz foi anunciado pelo presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PC do B-SP) para um plenário praticamente vazio. O clima ficou tenso no final da sessão. Somente o líder do PTB, deputado José Múcio Monteiro (PE), e o secretário-geral do partido, deputado Luiz Antônio Fleury Filho (PTB-SP), comemoravam abertamente a decisão do plenário.

- Não agüentei ficar até o final. Minha cota de derrotas de 2005 está esgotada. Dava para perceber a derrota do conselho pelo clima de festa na porta das cabines de votação. Vale lembrar que esta é a primeira vez que um parecer do conselho é rejeitado no plenário da Câmara. Isto é triste e preocupante - concluiu o ex-petista Chico Alencar.

Share

quarta-feira, 14 de dezembro de 2005


Sua Santidade, o 14º Dalai Lama

Share

Dalai Lama estréia seu site

Da revista Info Online

O Dalai Lama estreou o seu site pessoal no último domingo (11), Dia Mundial dos Direitos Humanos.

"Quero levar ao mundo, com a rapidez da nova tecnologia, uma mensagem amor, paz, compaixão e responsabilidade", declarou o líder espiritual tibetano.

Disponível em inglês e tibetano, o site traz páginas com notícias, ensinamentos, biografia, discursos, fotos, publicações e sua agenda.

O Dalai Lama nasceu no dia 6 de julho de 1935, com o nome de Lhamo Thondup. Viveu no Tibete até a invasão chinesa, em 1959. Hoje mora em Dharamsala (Índia), onde fica a sede do governo tibetano no exílio.

Para acessar o site do Dalai Lama, clique aqui.

Share


As pessoas se protegem da neve sob a marquise do Centro Empresarial

Share

Neve em Resende

Hoje à tarde, por volta das 17 horas, nevou em Campos Elíseos. Estava passando pela Av. Nova Resende quando vi a calçada em frente ao Centro Empresarial parcialmente coberta de flocos brancos. Sobre os carros parados ao longo do meio-fio, os flocos escorriam pelas laterais até pingar vagarosamente no chão molhado. Olhando para o alto, pude vê-los pingando também da pequena marquise transparente que protege a entrada do CE. Ali, a poucos metros de distância, um grande boneco de neve feito de plástico assistia a tudo impassível, enquanto alguns transeuntes, sem ter para onde fugir, conversavam para passar o tempo. Uma moça sacou do celular e avisou a família: "se a neve continuar a cair por muito tempo, só vou poder ir embora de trenó... não me esperem para o jantar!"

Compreensivelmente, apesar do transtorno, ninguém reclamou. Afinal, é muito comum nevar no Brasil nessa época do ano, há apenas dez dias do Natal. Pior seria se vivêssemos em um país tropical e tivéssemos de comemorar o nascimento de Cristo sob um calor de 40 graus!

Share

"Los Angeles Times" fecha edição nacional

Da Folha Online

Depois de 13 anos o jonal "Los Angeles Times" fechará, na próxima semana, sua edição nacional. A decisão de interromper a distribuição na costa leste dos Estados Unidos foi feita para poupar custos. Além disso, segundo seus administradores, considera o fato de que o jornal é "amplamente lido pela internet".

"No decorrer do último ano, percebemos que nosso público da costa leste lê o jornal na web", disse David Garcia, porta-voz do "Los Angeles Times", observando que o fim da edição nacional será compensado por um aumento da dedicação ao site do jornal na internet (www.latimes.com).

O fim da edição nacional coincide com uma fase de corte de custos no prestigiado jornal, que recentemente demitiu 85 jornalistas.

Share

De Resende para Resende, sem escalas

De Pedro Luz para o RA:

Oi ! Estou escrevendo para informar que o seu blog foi escolhido para constar no Site Oficial de Resende (http://www.resende.com.br). Parabéns e continue assim !

Do RA para Pedro Luz:

Obrigado, Pedro! A admiração é recíproca, tanto que o RA acaba de inaugurar um link para o Site Oficial de Resende, localizado abaixo do ORO. Assim, nossos visitantes têm agora a opção de se deslocar de um endereço para outro sem escalas. Grande abraço.

Share

A grife da Câmara


Depois da Daspu, a Depu
(Charge de Aroeira, em O Dia)

Share

Serra já ganha de Lula no primeiro turno

Do UOL Notícias

As intenções de voto no presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006 caíram e, pela primeira vez, o presidente é ultrapassado já no primeiro turno. Pesquisa CNI/Ibope divulgada hoje mostra que Lula atingiu o mais baixo patamar nas simulações de intenção de votos para o primeiro turno das eleições presidenciais.

Essa é a primeira vez na série da pesquisa que Lula é ultrapassado por outro candidato no primeiro turno das eleições. Segundo a pesquisa, se as eleições fossem hoje, José Serra (PSDB), prefeito de São Paulo, obteria 37% dos votos, contra 31% de Lula. Os outros candidatos elencados pela pesquisa são Garotinho (PMDB), com 11%, e Heloísa Helena (PSOL), com 4% das intenções de voto.

A pesquisa foi realizada entre os dias entre 3 e 7 de dezembro com 2.002 entrevistados em 143 municípios de todo o país. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Share

Aprovação ao governo Lula cai três pontos

Da Folha Online

O pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quarta-feira mostra que a aprovação ao governo Luiz Inácio Lula da Silva caiu de 45% em setembro para 42% em dezembro. A desaprovação passou de 49% para 52%.

"Entre os segmentos, as variações mais expressivas ocorrem na faixa de renda até um salário mínimo nas regiões Norte e Centro-Oeste e nos municípios com até 20 mil habitantes", informa o texto da pesquisa.

Da mesma forma, a confiança no presidente Lula oscilou negativamente de 44% para 43%. O percentual dos que não confiam em Lula subiu de 51% para 53%.

De acordo com o levantamento, apenas na região Nordeste a quantidade de eleitores que confiam no presidente supera os que não confiam - 52% a 45%.

Share

Hoje, no planeta Terra


Cartaz russo da nova versão do clássico King Kong

Share

"Sou escapista mesmo"

Entrevista com Peter Jackson, diretor de King Kong,
publicada na revista ÉPOCA

ÉPOCA - King Kong o fez decidir ser cineasta?

Peter Jackson - Sim. Estou realizando meu sonho de criança. Vi o filme de 1933 na TV, quando tinha 8 anos. Aquilo me impressionou. Mobilizei a família, ganhei uma câmera e tentei fazer minha primeira versão na garagem de casa. Desenhei em papelão o cenário de Nova York!

ÉPOCA - Você apresentou um projeto de remake aos estúdios da Universal?

Jackson - Sim, em 1996. Já estávamos produzindo O Senhor dos Anéis, e meu sonho continuava. Naquele tempo os executivos eram muito chatos, não queriam saber de King Kong. O diretor duplicou a metragem do filme. O novo King Kong tem 3 horas

ÉPOCA - Por que agora deu certo?

Jackson - Não vou mentir: só consegui fazer o filme por causa do sucesso de O Senhor dos Anéis. Agora posso fazer o que quiser.

ÉPOCA - Você optou pelo fantástico? Acha que seus filmes privilegiam a fantasia sobre o real?

Jackson - Espero que os espectadores deixem a descrença de lado e se entreguem à aventura. Como King Kong é um mito eterno, as platéias sempre se interessarão por ele.

ÉPOCA - Mas o filme tem uma mensagem ecológica, denuncia a destruição da natureza.

Jackson - Não foi proposital. O mundo atual é péssimo, com guerras injustas, e fico triste com a destruição da natureza. Mas isso passa longe de King Kong. Quero reviver a magia do original com os recursos técnicos atuais e fazer jus ao slogan para o filme de 1933, que repetimos: 'A oitava maravilha do mundo'.

ÉPOCA - Não teme ser acusado de escapista?

Jackson - Sou escapista mesmo, com orgulho. Temos compulsão de ver um filme divertido para esquecer as agruras do mundo. Antes as pessoas encontravam isso em Mozart e Beethoven, mas hoje a diversão é o cinema. Quem não quer esquecer deste mundo horroroso?

ÉPOCA - Você poderia analisar a evolução de sua carreira?

Jackson - Não acho que tenha evoluído como cineasta. Minhas obsessões são atemporais, e King Kong é um projeto de 35 anos. Filmo o que me apaixona. Foi assim com O Senhor dos Anéis. Sou um eterno menino sonhando em filmar.

ÉPOCA - O que acha da versão de 1976?

Jackson - Detesto. Quis evitar aquele clima erótico. Jessica Lange e o macaco se atraem sexualmente e há cenas de gosto duvidoso.

ÉPOCA - Qual é a contribuição de seu remake ao original de 1933?

Jackson - Busquei um relacionamento mais profundo. Não é um filme de amor, mas um filme sobre o amor. King Kong é perigoso. Mas, nesse clima de perigo, Ann termina por dominá-lo. A tragédia se dá quando Kong se apaixona pela mulher civilizada. É o começo de seu fim.

Share

terça-feira, 13 de dezembro de 2005

Jornalistas vão cobrar doação de Paulo Maluf

Do site O Jornalista

Depois de passar uma temporada na prisão, o ex-governador Paulo Maluf terá pela frente um novo problema. Dois jornalistas decidiram cobrar do ex-governador a promessa de que ele doaria todo o dinheiro dele que fosse encontrado em contas secretas suíças. Dos dois jornalistas, um é suiço e trabalha na Tribuna de Genebra, o outro é o brasileiro Rui Martins, que revelou que que fará a cobrança da promessa de Maluf no próximo encontro com a imprensa internacional no Clube Suíço da Imprensa, que reúne os correspondentes estrangeiros na ONU, em Genebra.

Rui Martins é um ilustre desconhecido para a nova geração, que poderá conhecer um pouco do trabalho do jornalista lendo o livro "Dinheiro sujo da corrupção - por que a Suíça entregou Maluf", recém-lançado. Muitos se lembram dele, pelos boletins da Rádio CBN, da qual foi um dos fundadores e correspondente europeu. Vivendo em Paris e depois na Suíça, escreveu para "tudo quanto é jornal e revista brasileiros", como costuma dizer. Martins deixou o Brasil em 1969, fugindo da ditadura militar e não achou mais o caminho da volta. Perguntado sobre que história é esta de reivindicar o dinheiro do Maluf, ele responde:

- Simples: Paulo Maluf negava ter dinheiro em contas secretas suíças e dizia "darei tudo se acharem". Ora, eu e o meu colega suíço da Tribuna de Genebra achamos, e isso em 2001. E como temos um encontro com a imprensa internacional, no Clube Suíço da Imprensa, decidimos cobrar o pagamento dessa promessa.

Share

Concurso de Miss Virtual


A alemã Henrie, de Gabriele Heigl

Share


A italiana Patrizia, de Alessandro Valori

Share


A brasileira Elma Silva, de Waniel Jorge

Share


A argentina Carlita, de Rodolfo Casaubon

Share


A norte-americana Sonia, de Brian Doty

Share


E a vencedora Mi, de Shinichi Yoshimoto

Share

Nova Miss Virtual é japonesa

Do site IDG Now!

Ela pode não ser uma Gisele Bündchen, mas no mundo virtual a bola da vez é a modelo oriental Mi, vencedora do Miss Digital World, concurso mundial na web que premia as mais belas mulheres virtuais em 3D.

Em sua segunda edição, a disputa premiou com cinco mil dólares o japonês Shinichi Yoshimoto, designer responsável por Mi. A modelo asiática de 1,63 m de altura derrubou concorrentes de diversos países, como Estados Unidos, Itália, França e até do Brasil, que participou com Elma Silva, criação de Waniel Jorge.

Para não ser mais uma boa moça querendo salvar o mundo em concursos de miss, Mi precisa seguir o exemplo de suas antecessoras bem sucedidas. Um exemplo é Lara Croft do game Tomb Raider, que ganhou uma versão real na pele de Angelina Jolie, ou Simone, personagem virtual do filme homônimo de Andrew Niccol. No longa estrelado por Al Pacino, um diretor de cinema recupera a popularidade após criar uma atriz virtual que acaba se tornando uma unanimidade global.

Share

Por Tevez, Maradona dispara contra Pelé

Da Folha Online

Durou pouco a paz entre Diego Maradona e Pelé. O ex-jogador argentino afirmou ontem que o brasileiro fala tolices.

Sua declaração referiu-se ao comentário que Pelé fez sobre o atacante Tevez, do Corinthians. Segundo ele, o argentino só foi o melhor jogador do Brasileiro de 2005 depois que Robinho foi para o Real Madrid. O ex-atacante disse também que Tevez não seria titular na seleção brasileira.

"Pelé é assim, sempre tem algo a dizer. Parece que vem a menstruação e sempre tem uma tolice a falar. Irritou-me muito o que ele disse sobre (Carlitos) Tevez", afirmou Maradona.

Foi a primeira crítica pública disparada pelo ídolo argentino desde que recebeu Pelé na estréia de seu programa "La Noche del 10", veiculado em uma TV de seu país, em agosto deste ano.

Share

segunda-feira, 12 de dezembro de 2005


Quanto mais velhos, melhores!

Share

Rolling Stones engarrafados

Da Folha Online

A legendária banda britânica The Rolling Stones já está vendendo uma linha própria de vinhos, em garrafas com a tradicional logomarca do grupo, a boca com a língua.

O vinho Rolling Stone, a US$ 120 dólares a garrafa, tem diversas variedades de uva, como cabernet sauvignon safras 2002 e 1975 e pinot noir, safra 1971.

O grupo de rock também lançou uma série de vinhos "não alcoólicos", a US$ 30 a garrafa. A série de mil garrafas é produzida pela empresa californiana Celebrity Cellars.

Pitaco do RA: Será que a intenção de Mick Jagger e Cia é sugerir que, assim como os vinhos, os Stones também se tornam melhores com o passar dos anos? O excelente último disco (A Bigger Bang) prova que, se eles não estão melhores, pelo menos não perderam o sabor. Vida eterna - e boas safras - às pedras que rolam!

Share


Do site Periodista Digital

Share

Para Bush, o clima não compensa!

Terminou anteontem em Montreal, no Canadá, a 11ª Conferência da ONU sobre a Mudança Climática, com a participação de delegações dos países da União Européia, dos países em desenvolvimento, dos Estados Unidos, do Canadá, do Japão, da Austrália e da Rússia. Depois de muitos discursos, propostas, contrapropostas e discussões sobre como evitar a deterioração do planeta, a Cúpula chegou a um acordo final surpreendente: os países signatários do Protocolo de Kioto - entre os quais os Estados Unidos - estão agora obrigados a... manter novas reuniões!

O Protocolo de Kioto - aprovado no Japão em 1997, durante Conferência da ONU - propõe que os países industrializados reduzam suas emissões combinadas de gases de efeito estufa em, pelo menos, 5% em relação aos níveis de 1990, até o período entre 2008 e 2012. Esse compromisso, com vinculação legal, promete produzir uma reversão da tendência histórica de crescimento das emissões iniciadas nesses países há cerca de 150 anos.

Mas para que o bem-intencionado protocolo saia do papel (e passe a ser obrigatório) é necessária uma ratificação dos Parlamentos dos países que respondem por, pelo menos, 55% das emissões de gases que provocam o efeito estufa. A maior quantidade de gás carbônico na atmosfera - 25% do total - é emitida pelos Estados Unidos, país que até hoje não ratificou o Protocolo de Kioto. Quantas reuniões ainda serão necessárias para convencê-los de que são os principais responsáveis pela mudança do clima na Terra? Como disse, um dia, Bob Dylan, the answer, my friend, is blowin' in the wind...

Share

domingo, 11 de dezembro de 2005


Jovens, milionários, famosos e... lindos!

Share

Três perguntas para dois Ronaldos

Ronaldinho Gaúcho:

ÉPOCA - Qual foi seu momento mais emocionante no futebol até hoje?

Ronaldinho Gaúcho - É difícil dizer apenas um. São muitos. Disputar e vencer um Mundial é o sonho de todo jogador. Vencer dentro de um grande clube como o Barcelona e em um campeonato disputadíssimo como a Liga Espanhola também é uma emoção muito grande.

ÉPOCA - Com 25 anos, você já ganhou uma Copa, uma Liga Espanhola, um prêmio da France Football e, provavelmente, ganhará dois consecutivos da Fifa. O que falta?

Gaúcho - Sou muito jovem. Tenho muito tempo ainda. Mas não fico preocupado com prêmios individuais, pois graças a meus companheiros chego a eles. Pretendo voltar a vencer a Champions League, um sonho do Barcelona e meu. E ganhar minha segunda Copa.

ÉPOCA - Você parece muito caseiro e apegado à família. Assim é o Ronaldinho Gaúcho na intimidade?

Gaúcho - Minha família é a base de tudo. São eles que estão ao meu lado em todos os momentos da minha vida. É difícil estarmos todos juntos e, quando há essa oportunidade, nada melhor do que ficar em casa curtindo um pagode, fazendo um churrasco, batendo uma bolinha com os amigos.

Ronaldo:

ÉPOCA - Esta será sua última Copa?

Ronaldo - O tempo vai dizer. Quero jogar enquanto tiver prazer. Comecei na Seleção com 16 anos. Estou com 29. Para a vida, estou um menino. Mas para o futebol não. Preciso me preparar para deixar a carreira.

ÉPOCA - Você passou quase dois anos sem jogar e ainda assim é o jogador mais celebrado da Seleção Brasileira. Como conseguiu isso?

Ronaldo - Estava desacreditado, para muita gente não voltaria a jogar mais. Mas então ganhei uma Copa do Mundo. A carreira de um jogador depende do que ele faz dentro de campo.

ÉPOCA - Se você parasse de jogar hoje, que lembranças acha que deixaria para os torcedores?

Ronaldo - Acho que deixaria boas lembranças. Sei que posso marcar história nesta próxima Copa, superar Pelé em número de gols em Mundiais. Quero deixar uma boa imagem não só no futebol, mas também como embaixador da ONU. Vou trabalhar a vida inteira nisso e batalhar muito para ganhar um Prêmio Nobel da Paz. Isso me satisfaria muito. É um sacrifício que vale a pena.

Share

Um ótimo domigo pra você também

Vazamento de gás provoca explosão e deixa dois feridos em São Paulo
Chuva alaga, mata dois e deixa desabrigados no Rio de Janeiro
Explosão mata 30 convidados de casamento no Paquistão
Paramilitares matam 22 camponeses na Colômbia
Série de explosões matam 39 na Inglaterra
Ataques rebeldes matam 10 no Iraque

Share

O Bom Velhinho chega mais cedo


Flagramos Papai Noel invadindo uma residência em Campos Elíseos

Share

Unnur Birna Vilhjalmsdottir...


... é o nomezinho da nova Miss Mundo, uma islandesa...

Share


... que venceu candidatas do mundo inteiro na China
(Foto Reuters)

Share

New York Times começa blogs

O jornal "The New York Times", um dos maiores dos EUA e o mais influente do planeta, liberou alguns de seus jornalistas para fazer blogs (muito na linha do que já havia feito aqui jornais como a Folha, com Josias de Souza, e outros). Segundo o editor-chefe do diário, é para atingir os "leitores cada vez mais sofisticados", que exigem o blog. Como diria Bob Dylan, The Times, they are a-changin'...

Do Blog do Sérgio Dávila (link nos Favoritos do RA).

Share

Dirceu no Municipal

Os camarotes do presidente da República e do governador do Estado permaneceram fechados ontem à noite no Teatro Municipal do Rio por ocasião do show em homenagem ao músico Wagner Tiso. Mas o camarote ao lado do camarote presidencial abriu - e nele brilhou o ex-deputado José Dirceu ao lado de amigos.

Do Blog do Noblat (link nos Favoritos do RA).

Share

Em respeito ao Wagão

Wagner Tiso comemorou 60 anos de idade, 40 de carreira, e recebeu uma das maiores provas de respeito que já vi um artista receber do seu público: a nefasta pessoa de Zé Dirceu estava no Municipal, e não foi vaiada por cariocas indignados.

Não posso falar pelo teatro inteiro, mas pelas pessoas que estavam na minha fila, pelos grupinhos que encontrei no intervalo, por conversas soltas. A pergunta geral era:

- Que tipo de vaia cabe aqui sem ofender o Wagão?

Ninguém achou solução; mas juro que esta foi a primeira vez na vida em que vi uma vaia parada no ar.

Do Blog da Cora (link nos Favoritos do RA).

Share

Bom dia!


O novo King Kong, de Peter Jackson, estréia no próximo dia 14

Share

Mural de domingo carioca


Bancos em guerra por débito em folha e a guerra dos meninos do tráfico

Share

sábado, 10 de dezembro de 2005

Mal virtual

Piadinha que circula na Internet:

Marisa perguntou a Luis Inácio:

- Que é leptospirose?

E Luís Inácio respondeu na bucha:

- Copanhêra, lepitospirose é uma doença que ataca os usuário de lepitopi. É transmitida pelo contato com a urina do mouse.

Publicado por Moacir Japiassu, no site Comunique-se

Share

Ontem de manhã


O zepelin da Goodyear fazendo mais uma escala em Resende

Share

Geni e o Zepelin

Um dia surgiu, brilhante, entre as nuvens, flutuante, um enorme zepelin;
Pairou sobre os edifícios, abriu dois mil orifícios, com dois mil canhões assim;
A cidade apavorada, se quedou paralisada, pronta pra virar geléia;
Mas do zepelin gigante, desceu o seu comandante, dizendo: Mudei de idéia!

- Quando vi nesta cidade, tanto horror e iniqüidade, resolvi tudo explodir;
- Mas posso evitar o drama, se aquela formosa dama, esta noite me servir.

Essa dama era Geni, mas não pode ser Geni;
Ela é feita pra apanhar, ela é boa de cuspir;
Ela dá pra qualquer um, maldita Geni.

Mas de fato, logo ela, tão coitada e tão singela, cativara o forasteiro;
O guerreiro tão vistoso, tão temido e poderoso, era dela, prisioneiro;
Acontece que a donzela - e isso era segredo dela - também tinha seus caprichos;
E a deitar com homem tão nobre, tão cheirando a brilho e a cobre, preferia amar com os bichos!

Ao ouvir tal heresia, a cidade em romaria, foi beijar a sua mão;
O prefeito de joelhos, o bispo de olhos vermelhos, e o banqueiro com um milhão:

- Vai com ele, vai Geni, vai com ele, vai Geni;
- Você pode nos salvar, você vai nos redimir;
- Você dá pra qualquer um, bendita Geni!

Trecho da música de Chico Buarque.

Share

Saudades de quem?

Crônica de Nelson Motta

É incrível, mas já estou com saudades do Zé Dirceu. Sem nenhuma pena. Pelo mal que fez ao país e à democracia, mereceu perder o mandato e cada dia dos oito anos de exílio político a que foi condenado. Mas, em comparação com a turma voraz e rasteira que mamou no valerioduto, Dirceu tinha uma certa grandeza – até na ambição e na magnitude dos seus erros que, também com uma certa grandeza, reconheceu.

Dirceu tinha um projeto, uma idéia, um sonho de juventude, uma insanidade que fosse, talvez um delírio megalomaníaco e totalitário, mas seus motivos eram diferentes dos que moveram outros futuros cassados. Esses continuam chatos, repetindo que são vítimas de uma conspiração da "direita", mentindo deslavadamente, são muito pequenos, na estatura política e humana, não farão nenhuma falta. Na melhor das hipóteses, foram flagrados pagando suas contas com dinheiro alheio, às vezes público, cuidando de seus afilhados e de seus empregos, de suas campanhas, mantendo tudo como sempre foi e só mudando de partido.

Na planície severina os ladrões continuam soltos, os pequenos ratos paroquiais continuam roendo o dinheiro público, chantageando o governo por cargos e verbas. Eles sabem que não dá para a sociedade permanecer em estado de indignação e de alerta o tempo todo; depois do asco e do desprezo, vem o tédio. É nisso que eles apostam: vencer pelo cansaço moral. Não chega a ser sequer uma banalização do mal, falta grandeza até mesmo para isto, é apenas a continuação de um velho filme em que mudam as caras, os nomes e os partidos, mas os personagens e o enredo são sempre os mesmos. O trem pagador assaltado é sempre o nosso.

Dirceu dançou, já Severino, Valdemar e outros que fugiram da cassação pela renúncia, continuam mandando e se preparam para voltar, nos braços do povo.

Publicado no Sintonia Fina (link nos Favoritos do RA).

Share

Idiotice

Share

Nunca subestime o poder de pessoas estúpidas em grandes grupos.

Share

Dificuldade

Share

Sorte pode não durar uma vida inteira a menos que você morra jovem.

Share

Estupidez

Share

Desistentes nunca ganham, vencedores nunca desistem, mas aqueles que nunca ganham e nunca desistem são idiotas.

Obrigado pela preciosa dica, LLL

Share

sexta-feira, 9 de dezembro de 2005

25 anos atrás


Manchete do dia 9 de dezembro de 1980

Share

Como fiquei sabendo

Há exatos 25 anos - no dia 9 de dezembro de 1980, às seis e meia da manhã, no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro - eu me aprontava para mais uma terça-feira de aulas na faculdade quando Eliakin Araújo, da Rádio JB AM, anunciou no radinho de pilha pendurado na parede do banheiro:

- Faleceu nesta madrugada, no Hospital Roosevelt, em Nova York, o ex-beatle John Lennon, depois de ser atingido por quatro tiros disparados por um maníaco na entrada do Edifício Dakota.

As palavras podem não ter sido exatamente estas, mas o significado era um só: o fim do sonho - decretado pelo próprio John, dez anos antes - se tornara agora realidade da maneira mais trágica possível.

Share

quinta-feira, 8 de dezembro de 2005


John e Yoko em frente ao Dakota

Share

Primeiro repórter a chegar ao Dakota relembra cena

Da BBC Brasil

O repórter da BBC Tom Brook foi o primeiro jornalista a chegar ao local onde John Lennon foi assassinado em 8 de dezembro de 1980. Foi de uma cabine telefônica perto do edifício Dakota, onde o ex-Beatle morava e onde recebeu os quatro disparos de Mark David Chapman, que Brooke transmitiu os primeiros boletins descrevendo a consternação dos fãs incrédulos que iam se aglomerando no local.

No relato a seguir, Brook descreve o que ele chama de "cena surreal" que se instalou na frente do edifício de Lennon e sua própria dificuldade de relatar um fato que também era pessoalmente doloroso para ele:

"Na noite de 8 de dezembro de 1980, eu estava na minha casa, no centro de Manhattan, quando recebi uma chamada telefônica de um colega que me contou que havia escutado um rumor sobre um tiroteio no edifício Dakota e que era possível que John Lennon estivesse ferido. Na hora, peguei o meu gravador, o meu bloco de anotações e um radinho. Saí na rua e chamei um táxi.

Levei dez minutos para percorrer os quase cinco quilômetros até o edifício onde morava Lennon. Assim que cheguei, percebi que algo horrível tinha acontecido. Um grupo de umas 20 pessoas estava concentrado na entrada do edifício. Eles estavam agitados e confusos. Disseram que, de fato, havia ocorrido um tiroteio, que achavam que John Lennon era a vítima e que ele havia sido levado ao hospital Roosevelt pela polícia.

Pouco depois pude escutar no meu radinho um boletim que dizia que Lennon havia morrido. Em uma questão de horas, o edifício Dakota se transformou em um santuário improvisado. Fãs incrédulos, a maioria deles aos prantos, estavam do lado de fora e enchiam a rua com velas. Falei com eles, gravei alguns comentários. De fato, eu me lembro de uma mulher que estava rodeada por um grupo que cantava 'Give Peace a Chance'. Ela me disse que a morte de Lennon significava um duro golpe para ela. Um chute no estômago, nas suas palavras.

Pessoalmente, eu não tive tempo de responder emocionalmente, pelo menos em princípio. O que fiz foi correr ao telefone mais próximo para começar a enviar boletins para a BBC. Agora, quando olho para trás, relatar a morte de Lennon não foi difícil do ponto de vista mecânico. A única coisa que tive de fazer foi descrever a cena surreal que havia do lado de fora do Dakota.

O que foi mais difícil foi poder controlar as minhas emoções. Eu cresci com a música de Lennon. Eu era um fã. E de uma hora para a outra me dei conta de quão impactante era a notícia. O fato começou a me tocar tão forte quanto aos fãs que eu estava descrevendo na rua e aos britânicos que me escutavam pelo rádio.

Para a geração dos meus pais, o assassinato do presidente americano John Kennedy, em 1963, foi um choque. Para os que, como eu, cresceram com Lennon, a sua morte significou muito mais".

Share

Em Liverpool


Flores aos pés da estátua de Lennon no Cavern Club

Share

Liverpool lembra 25 anos sem Lennon

Da Agência EFE, em Londres

Liverpool, a cidade natal de John Lennon, concentra hoje as atividades pelo 25º ano do assassinato do ex-membro dos Beatles. Fãs do mundo todo chegaram à região.

Ao meio-dia, o céu da cidade que assistiu aos primeiros passos dos Beatles se encheu de balões brancos, cada um deles com uma mensagem dirigida ao cantor e compositor, morto em 8 de dezembro de 1980 após ser baleado em frente ao edifício onde vivia, em Manhattan (EUA).

Mais de mil mensagens foram escritas por pessoas - algumas procedentes de outros países - que quiseram prestar sua homenagem a Lennon. James Andrews, um menino de 9 anos de Bournemouth (cidade litorânea da Inglaterra), era um dos fãs dos Beatles mais jovens que participaram do ato. Após contar a meios de comunicação locais que seus pais lhe tinham permitido faltar à aula, explicou que em sua mensagem "apenas tinha desejado a Lennon um Feliz Natal".

Outra mensagem, de Jim Cushman, dos Estados Unidos, dizia que "com tudo o que está ocorrendo no mundo, hoje precisamos da voz de Lennon mais do que nunca". Também Louise, de Liverpool, pedia que "a mensagem de paz" do músico "fosse mais ouvida no mundo atual".

Os fãs de Lennon assistiram depois à colocação de flores na estátua do músico, situada junto ao The Cavern, o mítico clube onde os Beatles começaram sua carreira.

Publicado na Folha Online

Share


Paul e John trabalhando em uma música

Share

De Lennon, sobre Lennon-McCartney

"Talvez se pudesse dizer que Paul oferecia a claridade, o otimismo, enquanto eu sempre tendia para a tristeza, um cortante pessimismo. Houve um período em que eu pensei que não escrevia melodias, que Paul fazia todas, e eu, só rocks diretos e estridentes. Mas é claro que, quando me lembro de 'In my life', ou mesmo coisa velha como 'This boy', vejo que também sabia fazer melodias. Paul tinha muita técnica, podia tocar um monte de instrumentos. Ele dizia: 'Por que você não mudou isto aqui? Você já usou esta nota cinqüenta vezes'. Mas era eu quem desenvolvia, levava em frente uma canção - que, em geral, Paul começava".

Share

John sobre Yoko


Durante sessão de fotos para a Rolling Stone

Share

De Lennon, sobre Yoko

"'Como você pode estar com aquela mulher?', perguntavam-me. 'É a deusa do amor, a plenitude de minha vida', eu respondia".

Share

quarta-feira, 7 de dezembro de 2005


John e Yoko posam para a Rolling Stone

Share

De Lennon, sobre Lennon e Yoko

"Nós somos o Gordo e o Magro. Todas as pessoas sérias como os Kennedy, Luther King e Gandhi foram assassinadas. Nós queremos ser os palhaços do mundo".

Share

Ontem, no fim da tarde...


... o céu ameaçou cair sobre a cidade

Share


Criações da grife Daspu (ao centro, camiseta com logo)
(Foto Agência Folha)

Share