Já estão à venda os novos cartões-postais Resende de ORo

quinta-feira, 30 de junho de 2005


blogdica Posted by Hello

Share

quarta-feira, 29 de junho de 2005

Programa do Jô também lucra com o mensalão

O Programa do Jô, que andava ruím das pernas há um bom tempo, deu uma revigorada com a crise política provocada pelo escândalo do mensalão. Os convidados das últimas duas noites fizeram com que muita gente fosse para a cama mais tarde, sacrifício que deve se repetir também hoje, com a presença no programa da ex-secretária do maleiro Marcos Valério, Fernanda Karina Somaggio. Segunda-feira (dia 27), quem esteve por lá foi o deputado federal Fernando Gabeira que, como sempre, esbanjou lucidez e coragem ao afirmar que acredita na culpa do antigo companheiro José Dirceu. Ontem (terça, dia 28), o programa surpreendeu: ao invés de um convidado por vez, Jô abriu os trabalhos sentado entre quatro jornalistas, todas mulheres. De um lado, Ana Maria Tahan (do Jornal do Brasil) e Lúcia Hippólito (da CBN); do outro, Tereza Cruvinel (de O Globo) e Cristiana Lobo (da Globo News). Ao longo dos três blocos (é, o programa foi todo assim) Jô bem que tentou botar ordem na casa, mas, sob fogo cruzado, só conseguia pedir calma às entusiasmadas "meninas", que falavam o tempo todo, todas ao mesmo tempo. Mesmo assim, pela cultura política, pela competência, pela inteligência e pelo conhecimento das artimanhas dos nobres congressistas, as convidadas fizeram bonito, contando histórias e esclarecendo questões hilariantes, como as diferenças fundamentais entre baixo e alto clero (de acordo com Lúcia Hippólito, os deputados do alto clero sentam nas primeiras filas e usam ternos caros e discretos, enquanto que os do baixo clero sentam no fundo e adoram paletós de cor laranja). Hoje, pode ser que a charmosa Fernanda Karina ponha fim a uma dúvida que paralisa a nação: ela aceitará ou não o convite da Playboy para aparecer nua na revista? É o Grande Circo Brasil, mais uma vez, de volta à estrada.

Share

Samba no pé e bola na rede

A seleção brasileira de futebol fez barba, cabelo e bigode esta tarde na Alemanha: derrotou os metaleiros argentinos na final da Copa das Confederações por uma histórica goleada de 4 a 1 e conquistou a artilharia com Adriano (autor de cinco gols), eleito também o melhor jogador da competição. Como se não bastasse o baile dentro de campo, os brasileiros comemoraram com uma grande batucada no Waldstadium, comandada pelo alegre pandeiro de Ronaldinho Gaúcho, que fez um dos gols da vitória (os outros foram de Kaká e de Adriano). Neste exato momento na Internet, a manchete do principal jornal argentino, El Clarín, diz: "A Seleção viveu um pesadelo contra o Brasil". Logo abaixo, a reportagem reconhece que a Argentina jogou muito mal e perdeu por uma goleada incontestável. Agora só falta o São Paulo sair de Buenos Aires, logo mais, classificado para a final da Copa Libertadores da América (o time paulista pode até perder por 1 a 0 do River Plate). Se ganhar, empatamos com os portenhos nos resultados dos últimos quatro jogos entre os dois países (a Argentina ganhou o jogo das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo e a final do Campeonato Sub 20). Infelizmente, o São Paulo não poderá contar com a ajuda do Quarteto Fantástico que, a essa hora, só quer saber de sambar.

Share


Comissão técnica do Brasil anota estatísticas no jogo com o Japão Posted by Hello

Share

As finais do Quadrangular e da Copa das Confederações

O Brasil, sem muitas dificuldades, conquistou ontem (dia 28), aqui em Resende, o Quadrangular Internacional de Voleibol Sub 20, vencendo Sérvia e Montenegro por três sets a zero. Em terceiro lugar ficou a seleção japonesa, que ganhou da Costa Rica pelo mesmo placar, no jogo preliminar. Quem compareceu ao ginásio do Colégio Salesiano em algum dos três dias da competição, pôde presenciar um evento esportivo de alto nível, sem nada a dever aos realizados nos grandes centros mundiais. Parabéns ao vereador Fernando Menandro, incansável incentivador do esporte na região, por mais uma iniciativa de sucesso. Aproveitando o gancho esportivo, não custa lembrar que daqui a pouco é hora de parar as máquinas para assistir à grande final da Copa das Confederações, mais um Brasil e Argentina em menos de trinta dias. Infelizmente, perdemos os dois confrontos anteriores, nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo e na final do Campeonato Sub 20. Mesmo assim, acho que hoje é o dia da vingança, apesar da ancestral teimosia do Parreira e das costumeiras trapalhadas do Trio Parada Dura de Agüentar, formado por Emerson, Lake e Palmer, digo, Emerson, Lúcio e Roque (progressivo) Júnior. Pelo menos, podemos contar com a inestimável ajuda do Quarteto Fantástico nessa difícil missão. Vai Robinho, pedala à vontade entre a zaga portenha mas, dessa vez, não deixe a bicicleta cair. O clássico dos clássicos começa às 15h45m, com transmissão da Globo direto do Waldstadium, em Frankfurt, na Alemanha.

Share

terça-feira, 28 de junho de 2005


O belo sorriso da sérvia Dragica  Posted by Hello

Share

Quadrangular torna a cidade cosmopolita

Termina hoje (dia 28) o Quadrangular Internacional de Voleibol Feminino, categoria Sub-20, com o jogo Brasil e Sérvia e Montenegro. Desde o dia 22, quando chegaram as primeiras delegações, Resende tem sido uma cidade cosmopolita, convivendo com idiomas, biotipos e costumes de diferentes partes do planeta. Jovens bonitas - e muito altas - circulam em grupos por Campos Elíseos, exibindo os discretos uniformes de malha sobre os músculos adquiridos na dura rotina de treinos e jogos. Os nossos rapazes param para vê-las passar, intimidados diante do vigor físico, do idioma e da beleza incomum. Alguns, mais afoitos, se arriscam e pedem autógrafos, já se antecipando à futura fama de algumas prováveis estrelas olímpicas. São, de fato, dias especiais para todos nós. Pena que amanhã elas não estejam mais aqui, quando tudo voltar ao normal.

Share

segunda-feira, 27 de junho de 2005


Emblemática imagem postada no ótimo Blog das Cores

Share

domingo, 26 de junho de 2005

Dirceu Borboleta e Roberto Dinamite

Acabo de encontrar uma autêntica pérola no site do Jornal do Commercio, de Recife, que passo agora para vocês na íntegra. O autor do artigo disfarçado de fábula (do dia 24/06) é José Adalberto Ribeiro, desde já, nome de destaque na minha galeria de admiráveis.

"Um passarinho à moda de Dias Gomes e Monteiro Lobato me contou que o Bem Amado era um Príncipe barbado que governava o reino encantado de Sucupira. Dirceu Borboleta era um secretário muito treloso e cavernoso. Dirceu Borboleta vivia enfurnado nas cavernas do poder em Brasília, aliás, nas cavernas de Sucupira. Um belo dia, que por sinal não era tão belo, o cangaceiro Zeca Diabo vestiu a fantasia de Roberto Jefferson Dinamite e resolveu enfrentar o Dirceu das borboletas vermelhas, dos sapos barbados e das cobras criadas.
Marcaram um duelo na Praça da Paz Celestial dos Três Poderes em Brasília. Zeca Diabo estava armado até os cotovelos para enfrentar o criador de borboletas e de serpentes vermelhas. Roberto Dinamite também vinha de longe, era criador de cobras colloridas. Todos os bichos foram convocados para assistir ao duelo das borboletas vermelhas e das cobras colloridas. Um papagaio de pirata anunciou: 'Respeitável público, este será um duelo de potência versus potência'. A macacada delirou, delirou!
O cangaceiro Roberto Dinamite, na pele de Zeca Diabo, contou ao Bem Amado barbado que Dirceu Borboleta exercitava as artes de Pedro Malasartes nos jardins suspensos das Babilônias de Brasília. Também incorporava o espírito do endiabrado monge Rasputin na Esplanada dos Monastérios. Rasputin era aquele mal cheiroso, com fama de milagreiro e as barbas de bode que enfeitiçava a aristocracia e exercia o poder à sombra dos czares nos tempos da Rússia imperial. O Rasputin tupiniquim montou um cordão de isolamento para impedir que a rafaméia se aproximasse do Bem Amado barbado. Quando tomava um chá de pir-lim-pim-pim, o Dirceu das Borboletas vermelhas era capaz de pisar no pescoço de deputados e senadores para exercer suas artes de Malasartes.
O cangaceiro Zeca Diabo na pele de Roberto Dinamite contou as estripulias do colecionador de borboletas vermelhas e de cobras criadas. Por ser inocente feito o Chapeuzinho Vermelho, o Bem Amado barbado não sabia das estripulias de Dirceu Borboleta. Ficou de queixo caído e desmanchou-se em lágrimas no muro das lamentações de uma esquina de Sucupira em Brasília. Ao cruzar a Ipiranga e a Avenida São João, alguma coisa aconteceu no coração encarnado do Bem Amado e ele mandou expulsar o Rasputin tupininquim dos paraísos do poder.
Subitamente, não mais que subitamente, o ministro da Gandaia, Gilberto Gil, entrou na linha para consolar o Bem Amado e o Dirceu das borboletas vermelhas:
'Não, não chore mais! Não, não chore mais!
Bem que eu me lembro, a gente sentado ali,
Na grama do aterro do Palácio do Planalto sob o sol.
Observando estrelas vermelhas do PT junto a figurinhas de papel.
Amigos presos pelas operações da Polícia Federal, amigos sumindo assim, pra nunca mais.
Não, não chore mais! Não, não chore mais!
Bem que eu me lembro, a gente sentado ali,
Na grama do aterro do Planalto sob o céu.
Observando hipócritas disfarçados do PTB rondando ao redor.
Nas recordações do caixa 2 de Delúbio Soares, retrato do mal em si.
Melhor é deixar pra trás as propinas pagas pelos genuínos comissários stalinistas aos traíras de Roberto Dinamite.
Tudo, tudo vai dar certo na CPI do mensalão, tudo vai dar pé'.
'Saio de mãos limpas', proclamou Dirceu Borboleta depois de utilizar creolina, permaganato de potássio, ácido clorídrico, desinfetantes, sabão Omo dupla ação, sabão Minerva, água sanitária Dragão e o detergente Ipê da bonitona Suzana Vieira.
Dirceu Borboleta e o genuíno comissário dos povos stalinistas propagam: 'Hay que distribuir propinas a aliados governistas, pero sem perder la ternura jamais'.
Como diria o portuga, o mundo gira, a lusitana roda, a mula manca e assim caminha a humanidade dos povos barbudos e dos sapos barbados".

Share

Novidades no Resende Agora

Estou aproveitando este domingão ensolarado para ficar trancado no escritório - ao som de um excelente Chet Baker (White Blues), comprado ontem nas Lojas Americanas por R$ 14,90 (aproveitem!) -, mexendo no blog e suando a camisa para adicionar uns acessórios que poderão (ou não) ser úteis aos meus três fieis leitores. Por enquanto, já estão instalados (na coluna de links, do lado esquerdo) um quadro que mostra diariamente as fases da lua (Current Moon) e, logo abaixo, uma caixinha para você digitar o seu email e receber, no conforto do seu lar, um aviso de novos posts. Como ainda estou acertando medidas e formatando textos, pode ser que, ao longo do dia, ocorram alguns probleminhas na página. Por favor, tenham paciência até que tudo esteja funcionando direito. E torçam para que isso realmente aconteça!

Share

sábado, 25 de junho de 2005

Liturgia Íntima depois da vitória do Brasil

Por absoluta distração, esqueci de mencionar (no post abaixo) as apresentações da peça LIturgia Íntima, hoje e amanhã no Teatro Moinho do Castelo, e agradeço ao grande Lu Gastão pela lembrança (aproveito para agradecer também os comentários elogiosos tanto do Lu, quanto do Celso Dutra e do sogrão Acácio, sempre presentes aqui no RA). Como Liturgia Íntima é outro excelente programa para o fim-de-semana, eu recomendo o seguinte: quem ainda não viu o "Vinícius..." vá hoje ao Armazém (a partir das 21 horas) e, amanhã (domingo), confira o memorável desempenho da atriz Anna Zelma interpretando o precioso texto de Martha Carvalho, sob a competente direção de Dudu Arbex. Agora, quem já viu "Vinícius..." (com André Whately, Claudia Martins e Thiago Zaidan), não tem desculpa: o rumo a seguir (hoje ou amanhã) é o do Teatro Moinho do Castelo, que fica na belíssima sede da histórica Fazenda do Castelo (início da peça às 20h30m). É sempre bom lembrar que ambos os espetáculos têm aquela coisa de ficar para sempre nas conversas dos amigos, tipo "as melhores realizações dos últimos tempos". Por isso, se você bobear, corre o risco de ser excluído (ou excluída) de bons papos futuros. Além disso, quem não prestigia as sofridas iniciativas dos artistas locais, não pode jamais reclamar da falta de opções culturais da cidade. Êpa, já ia embora sem ao menos justificar o título do post! Como todos viram, o Brasil venceu a Alemanha por 3 a 2 e, graças ao Adriano - e não ao Parreira, ao Lúcio, ao Roque Júnior e ao Emerson -, eu não virei alemão.

Share


O pinheirão de Campos Elíseos envolto na espessa neblina de ontem Posted by Hello

Share

O sol volta a brilhar

Ontem (24/06), Resende amanheceu com uma espessa neblina que só se dissipou por volta das 10 horas. A causa do fenômeno, segundo a meteorologia, foi uma inversão térmica que atingiu parte do Sudeste, fechando aeroportos e atrapalhando a vida de muito freqüentador de ponte aérea. Para compensar, depois da cerração, o sol brilhou em meio a um céu azul de encher os olhos, bem diferente dos últimos três dias cinzas e chuvosos. O frio, no entanto, continua, mas ainda suportável, nada que uma jaqueta jeans não resolva. Hoje (dia 25), a manhã ensolarada anima todos a sairem de casa, e o Calçadão - como acontece todos os sábados - está lotado. Hora de ir até o Bazar Agulhas Negras ver as novidades (jornais e revistas), tomar um expresso na Cultura & Cia e, mais tarde, dar um passeio pelo Resende Shopping. Só não esquecer que, às 13 horas, tem Brasil e Alemanha pela Copa das Confederações. Depois de ter torcido pelo Japão no último jogo, hoje volto a ser brasileiro, esperando que Parreira e sua turma de estrelas não me decepcionem mais uma vez (senão, viro alemão). Logo à noite, acontece a última apresentação, no Armazém, do espetáculo "Vinícius de Moraes... É Demais!". Para quem ainda não viu, certamente o melhor programa do primeiro fim-de-semana de inverno. No mais, os filmes em cartaz estão disponíveis no site do Cine Show (é só clicar no botão localizado do lado esquerdo desta página). Para quem preferir assistir a um bom filme sem sair de casa, este blog que vos fala acaba de inaugurar um link (botão abaixo do Cine Show) com a Megathon Vídeo Locadora, que tem sempre os últimos lançamentos em vídeo e DVD (aí Rubão, depois a gente acerta os honorários!!). Até amanhã ou a qualquer momento durante a nossa programação normal.

Share

sexta-feira, 24 de junho de 2005


No Planalto Central, o duelo entre dois antigos companheiros de armas Posted by Hello

Share

Para lavar a alma

Tenho acompanhado atentamente a vida – política, literária e jornalística – de Fernando Gabeira desde a sua histórica entrevista ao também histórico Pasquim em 1978. Nessa época, ele ainda vivia o seu longo exílio na Europa, depois de ter participado do seqüestro do embaixador americano Burke Elbrick, nove anos antes no Rio de Janeiro, que resultou na libertação de 13 presos políticos, entre eles, o nosso velho conhecido José Dirceu. Autor de onze livros e centenas de artigos publicados na Folha de São Paulo depois da volta ao Brasil em 1979, Gabeira é - desde 1994 - Deputado Federal pelo Partido Verde (sempre com o apoio do meu modesto voto), um dos mais lúcidos e atuantes da Câmara. Lá mesmo, anteontem (dia 22), depois do decepcionante discurso de José Dirceu (quando o ex-companheiro de armas nem tocou no assunto do mensalão e defendeu a ética e o combate à corrupção), Gabeira subiu à tribuna e lavou a alma de todos os que ainda sonham com justiça nesse nosso imenso e desigual país tropical. A Folha de ontem reproduziu um dos trechos mais importantes do discurso, que agora eu também tomo a liberdade de mostrar a vocês. Fala Gabeira:

"Eu quero apenas dizer que a passagem dele (José Dirceu) por aqui permitiu um debate, e eu estou esperando que ele se desvencilhe de seus problemas criminais e de sua acareação com o deputado Roberto Jefferson para tratar da questão política: do atentado contra a democracia, como comprar deputados no Congresso; do atentado contra a humanidade, que foi a morte das crianças indígenas em Dourados, morte das crianças indígenas provocada por incompetência e corrupção do PT - os documentos nós entregamos ao Ministério Público. E, finalmente, denunciá-lo pelos crimes que cometeu contra o planeta.

Ele foi encarregado de um programa que não funcionou. E o próprio Partido dos Trabalhadores se meteu na floresta em atividades de destruição da nossa mata. Portanto, promoveu um crime contra a democracia, um crime contra a humanidade, especialmente o crime contra os índios, que eu jamais esquecerei. E vou demonstrar, finalmente, ao Brasil que quem matou essas crianças foram a incompetência e a corrupção do Partido dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul. Não estou acusando o Partido dos Trabalhadores no conjunto.

Finalmente, vou demonstrar que a floresta foi destruída com a cumplicidade do Partido dos Trabalhadores. Assim, são três crimes: contra a democracia, subornando o Parlamento; contra a humanidade, matando crianças índias e contra o Planeta, destruindo a Floresta Amazônica".

E agora, Zé Dirceu? E agora, PT?

Share

quarta-feira, 22 de junho de 2005


A Seleção Brasileira de 86 no bonde de Santa Teresa, rumo ao México Posted by Hello

Share

Corro o sério risco de torcer pelo Japão

Pela Copa das Confederações, o Brasil de Parreira enfrenta hoje (dia 22) o Japão de Zico na cidade de Colônia, Alemanha, às 15h45m. Como nunca gostei do trabalho do Parreira na seleção - muito menos das constantes más atuações de seus queridinhos Emerson, Lúcio e Roque Júnior - e considero Zico o maior nome do futebol brasileiro (maior até do que o Pelé ou os Ronaldinhos juntos), acho que ele merece a glória de vencer o estrelado time canarinho, principalmente depois dos nossos últimos fiascos contra a Argentina e o México. Mesmo porque, Zico - exemplo máximo de profissional, dentro e fora do campo - terá sempre um crédito com a torcida brasileira, que o apontou, injustamente, como o responsável pela eliminação do Brasil na Copa de 86, no México. Para quem não se lembra, o time brasileiro (dirigido por Telê Santana e formado, entre outros, por Falcão, Sócrates, Júnior e Casagrande) estava invicto depois de quatro jogos (três vitórias e um empate), quando enfrentou a França tendo a obrigação de vencer. Aos 28 minutos do segundo tempo, jogo empatado em 1 a 1, o goleiro Jöel Bats defendeu um pênalti cobrado por Zico, que poderia ter significado a nossa vitória, caso convertido. Ora, mesmo se a bola tivesse entrado, quem garante que a França não teria feito outro gol nos quase vinte minutos restantes até o apito final? O resultado é que, na cobrança de pênaltis, perdemos por 4 a 3 e voltamos para casa mais cedo. Na verdade, para que a torcida na Alemanha fosse hoje toda verde-amarela, bastaria que Zico estivesse no lugar do Parreira. É bem provável que até os japoneses (seus maiores fãs) acabassem torcendo pelo Brasil. E eu poderia assistir o jogo com a consciência tranqüila.

Share


Segundo a meteorologia, esta será a cara da cidade até sexta-feira Posted by Hello

Share

O tempo em Resende, como em Brasília, fechou de vez

Enquanto a chuva cai em Resende, na Capital Federal, o deputado-cantor Michael Jefferson (obrigado Celso) continua detonando o camarada Zé Dirceu, que já disse que em seu discurso de hoje na Câmara, não vai nem tocar no assunto do mensalão. Pensando bem, ele está mais do que certo: falar o quê?

Share


Hoje, em Campos Elíseos, uma manhã de chuva fina e muito frio Posted by Hello

Share

O inverno com tudo o que tem direito

Este ano, o inverno chegou pontualmente em Resende. Ontem (dia 21), primeiro dia da nova estação, a cidade amanheceu fria e chuvosa, deixando todos morrendo de saudades dos belos dias de outono. Agora, só nos resta pegar em armas (guardas-chuvas, botas, casacos etc) e enfrentar a luta, porque se a vida é curta, os invernos costumam ser longos e tenebrosos.

Share

terça-feira, 21 de junho de 2005


blogdica Posted by Hello

Share


O límpido céu de outono refletido nas águas do rio Paraíba do Sul Posted by Hello

Share

Outono que é bom, só ano que vem

Terminou oficialmente hoje (dia 21, às 3h46m) a mais agradável estação do ano. Se tem muita gente que conta os dias e as horas para a chegada do verão, eu não troco um sol de 40 graus por um céu azul de outono, tão limpo que dá para almoçar apreciando a lua. Para os amantes da fotografia, esses dias especialmente claros favorecem a captura de imagens dignas de freqüentar as melhores revistas do ramo. Basta usar com sabedoria a luz rasteira que ilumina as tardes de outono para tudo ficar bonito, com as cores preferidas dos grandes pintores. Se formos falar da temperatura, aí então é covardia: nessa época do ano, os termômetros costumam variar numa estreita faixa entre 22 e 26ºC, o que significa que raramente sentimos frio ou calor. E para arrasar de vez com as demais estações, os meses de outono costumam ser também secos, mas quando chove, é garantia de um dia seguinte esplendoroso. Como já disse em outro post, é pena que o outono dure só uma estação. A partir de agora, começa a minha contagem regressiva para o último dia do verão de 2006.

Share


Em 1986, a festiva Cinelândia já queria o Lula Lá, mas sem mensalão Posted by Hello

Share

segunda-feira, 20 de junho de 2005

O personagem da crise no Roda Viva

Para quem anda acompanhando a crise do PT em face dos últimos escândalos envolvendo seus principais dirigentes, um programa imperdível: hoje (segunda-feira, dia 20), o Roda Viva, da TV Cultura, recebe nada mais, nada menos que o deputado Roberto Jefferson - autor das denúncias sobre o famigerado mensalão -, que irá responder a perguntas de jornalistas da Folha de São Paulo, do Estado de São Paulo, de O Globo, do Jornal do Brasil, de O Estado de Minas, da Gazeta Mercantil, da revista IstoÉ e da própria TV Cultura. Como saltou aos olhos (e ouvidos) de todos a humilhante superioridade do deputado do PTB sobre seus inquisidores no Conselho de Ética da Câmara, esta é uma excelente oportunidade de conferir (ou não) a credibilidade das graves acusações de distribuição de dinheiro a parlamentares por parte do PT em troca do apoio ao governo. Além da TV Cultura (canal 4), a entrevista poderá ser acompanhada pela TVE (canal 2), pela Internet e pela Rádio Cultura AM-1200, a partir das 22h30m.

Share

sexta-feira, 17 de junho de 2005


O esfuziante sorriso da pedagoga de voz cristalina Claudia Martins Posted by Hello

Share

A estrela de Vinícius volta ao Armazém

A cantora Claudia Martins – que volta hoje ao Armazém na companhia do ator e diretor André Whately e do violonista Thiago Zaidan para apresentar "Vinícius de Moraes... É Demais!" – se diz muito feliz com a oportunidade de subir ao palco novamente, depois do sucesso obtido pelo espetáculo no último dia 3. Afinal, o que essa barramansense de 33 anos sempre mais gostou de fazer na vida é cantar, atividade que a acompanha desde criança, quando iniciou a carreira no coro de uma igreja católica. A partir daí, não parou mais, participando de saraus, corais (como o Coral Universitário da UBM – Universidade de Barra Mansa – e o Coral Som e Movimento do Centro Musiart, de Resende) e de festivais, entre eles, o Festival de Música do Comerciário, promovido pelo SESC de Barra Mansa, onde recebeu o troféu de melhor intérprete da música que sairia vencedora. Em 2003, Claudia gravou seu primeiro e único (por enquanto) CD, batizado de "O Brilho da Estrela", onde interpreta músicas do compositor Guido de Castro, barramansense honorário desde que deixou a terra natal, Viçosa do Ceará, "há mais de 10 anos". O CD – que pode ser encontrado em Resende (na Diniz Discos e na Cultura & Cia) e em Barra Mansa (na Casa da Música) – teve produção esmerada, tanto na parte sonora (valorizando a cristalina voz de contralto da cantora) quanto na programação visual, enriquecida com belas fotos da excelente Isabel Machado. Mas a estrela tem também a sua identidade secreta, que não convive, nem de longe, com partituras e microfones. Na verdade, Claudia Martins é funcionária da Peugeot Citroën, onde atua na Gerência da Qualidade do Sistema de Produção há um ano. Antes, como pedagoga pós-graduada em Treinamento e Desenvolvimento de Recursos Humanos, trabalhou durante 7 anos no Senai de Resende, cidade que já é sua de coração há 12 anos. Casada com o analista de sistemas e professor universitário Jorge Pires e mãe de Ana Luiza (9 anos) e João Pedro (3 anos), Cláudia diz que o que mais gosta em Resende é a geografia, o clima e as boas amizades que fez por aqui. Só não gosta de ficar longe da família, "dos pais, sogros, irmãos, sobrinhos e agregados". Mas vai levando a vida numa boa, sempre com um belo sorriso no rosto, com um bom papo e com uma cativante simpatia. Canceriana convicta, Claudia é fã de Leila Pinheiro, de Marisa Monte e de todos os compositores da Bossa Nova. Seus CDs preferidos são "Bate Boca" (MPB 4 e Quarteto em Cy) e "Canções, Crônicas e Declarações de Amor", de Marisa Monte. Como integrante do cerimonial Musiart, Claudia Martins se sente também muito à vontade nas igrejas da região: para a sorte de noivos, padrinhos e convidados, ela adora cantar em casamentos. O espetáculo "Vinícius de Moraes... É Demais!" começa às 21 horas no Armazém (hoje, dia 17, e no sábado da semana que vem, dia 25), com couvert artístico a R$ 5,00. Reservas de mesas: 3355-8114.

Share

segunda-feira, 13 de junho de 2005


No Rio de Janeiro, fotos de Marc Ferrez expostas no Unibanco Arteplex Posted by Hello

Share

Em meio às tentações do Arteplex

Depois de algum tempo sem visitar a capital, dediquei parte do dia de anteontem (sábado) a conhecer uma das grandes novidades culturais da cidade – por incrível que pareça – ainda maravilhosa: o Unibanco Arteplex. Inaugurado há menos de um mês (no dia 20/05), o Arteplex é um complexo de cinemas (seis salas) que conta também com uma lanchonete, um restaurante, uma livraria e um bom espaço para exposições fotográficas (o IMS), tudo montado onde antes funcionava dois decadentes cinemas pornôs na Praia de Botafogo. As novas instalações superam todas as expectativas e, uma vez lá dentro, você não quer sair tão cedo, mesmo não tendo tempo suficiente para assistir ao menos um dos excelentes filmes em cartaz. E só para deixar os cinéfilos com água na boca, eis a programação: na Sala 1, Bendito fruto (brasileiro, dirigido por Sérgio Goldenberg, com Otávio Augusto, Vera Holtz e Zezeh Barbosa); na Sala 2, Um filme falado (português/francês/italiano) dirigido por Manoel de Oliveira, com John Malkovich, Catherine Deneuve e Stefania Sandrelli); na Sala 3, A pessoa é para o que nasce (brasileiro, dirigido por Roberto Berliner, com Maria Barbosa, Regina, Conceição e Gilberto Gil) e Terra em transe (clássico de Glauber Rocha em cópia restaurada, com Jardel Filho, Paulo Autran, Hugo Carvana e Jofre Soares); na Sala 4, Melinda e Melinda (o mais novo do Woody Allen, com Will Ferrell, Vinessa Shaw e David Aaron Baker); na Sala 5, Tentação (americano, dirigido por John Curran, com Laura Dern, Mark Ruffalo e Naomi Watts) e na Sala 6, o já manjadíssimo Star Wars III. Além de tudo isso, no sábado e no domingo (ontem) teve a pré-estréia de Madagascar, super desenho animado (dos americanos Eric Darnell e Tom McGrath) que tem como cenário a cidade de Nova York. Como podem ver, é cardápio para deixar qualquer um – com hora marcada para voltar à terrinha – maluco de pedra. Mesmo assim, tive algumas pequenas e valiosas compensações. A primeira delas foi ver a exposição de fotos do mestre Marc Ferrez, Vistas de Botafogo, que mostra aspectos idílicos e curiosos do bairro no fim do século XIX. As reproduções são do acervo do prestigiado Instituto Moreira Salles e dispensam comentários em relação à qualidade da mostra. A segunda compensação foi passar quase uma hora me esbaldando na ótima livraria do lugar, onde encontrei, entre outras tentações, o primeiro volume das Crônicas de Bob Dylan e a última obra-prima de Gabriel Garcia Márquez, Memoria de mis putas tristes, em edição Argentina, ainda sem tradução no Brasil. Na saída, dei mais uma olhada nos cartazes dos filmes em exibição – principalmente Melinda e Melinda, do supremo guru Woody Allen (que, com certeza, não vai chegar aqui) – antes de tomar um último expresso na Kopenhagen do vizinho Botafogo Praia Shopping. Em meio à fumaça que subia da xícara de café, me surpreendi programando uma nova e urgente visita ao Arteplex. Dessa vez, sem hora para voltar.

Share

quinta-feira, 9 de junho de 2005


Espaço cultural volta à cena na Fazenda do Castelo Posted by Hello

Share

Teatro Moinho do Castelo reabre com Liturgia Íntima

Amanhã, dia 10 de junho, estréia a primeira peça da poetisa e escritora resendense Marta Carvalho Rocha, marcando a reabertura do Teatro Moinho do Castelo, localizado na histórica Fazenda do Castelo. No formato de um monólogo com quase 50 minutos de duração, Liturgia Íntima expõe o balanço de 30 anos de uma paixão não concretizada, enfatizando a solidão do ser humano e o absurdo da vida. Na pele da protagonista, a consagrada atriz Anna Zelma em seu primeiro monólogo, desafio que ela diz enfrentar com grande prazer por dois motivos especiais: "ter a oportunidade de interpretar um texto poético de altíssima qualidade e reabrir o Teatro Moinho do Castelo". Na direção do espetáculo, o experiente Eduardo Arbex, que se diz emocionado com o retorno ao "teatro de tantas alegrias passadas". Liturgia Íntima estará em cartaz de 10 de junho a 3 de julho, de sexta a domingo, sempre às 20h30m. O preço do ingresso é R$ 10,00 e estudantes pagam meia entrada. O Teatro Moinho do Castelo fica na Avenida Dourival Marcondes Godoy, na Fazenda do Castelo, entrada da cidade. Maiores informações pelos telefones 3354-0286 e 3357-1358.

Share


A Ponte Velha envolta na neblina das manhãs de outono Posted by Hello

Share

Sonhando de olhos bem abertos

Em Resende, os dias de outono quase sempre começam escuros, sombrios, meio londrinos. Só que no lugar do tradicional e sinistro fog da capital inglesa, o que vemos aqui é apenas o resultado da evaporação das águas do Paraíba do Sul, depois que o frio da madrugada encontra o calor do sol da manhã. Dependendo do dia, o nevoeiro pode durar mais de três horas, obrigando os carros a circularem de faróis acesos e os pedestres de olhos bem abertos para não perderem o rumo de casa, do trabalho ou da escola. No entanto, todos parecem gostar da sensação de estar em um lugar diferente, bem distante da dura realidade. Principalmente quando sabemos que acima de toda aquela névoa existe um céu de azul profundo, prestes a surgir. Pena que essas mágicas manhãs durem só o espaço de uma estação. O ano e a vida seriam bem mais agradáveis se fosse sempre outono.

Share

sábado, 4 de junho de 2005


O Sr. Incrível trabalhando no Calçadão Posted by Hello

Share

Orgulho de ser palhaço

O resendense Rogério Afonso Bulhões, 37 anos de idade, nunca se importou de ser chamado de palhaço por onde anda. Esta é, na verdade, a sua profissão, exercida com muito humor há 23 anos, desde que decidiu levar a sério o dom de divertir as pessoas. Vestido de super-herói e empunhando um megafone, Rogério pode ser visto quase todos os fins-de-semana no Calçadão e nas principais ruas de Campos Elíseos, anunciando restaurantes, lojas de calçados, supermercados, farmácias e perfumarias. Todos o conhecem e ele circula à vontade vestido de Chapolin, de Batman ou de Homem-Aranha, alguns de seus mais de 20 personagens. A fantasia de palhaço, primeira que ele vestiu, está cada vez mais rara. No entanto, o nome ficou: todos o chamam assim, desde os fiéis clientes – que bancam o seu sonho de viver a vida fazendo o que gosta – até os desconhecidos transeuntes. A sua passagem provoca sempre uma onda de sorrisos e comentários, como um samba de Bezerra da Silva a espalhar alegria pelo bairro, dobrando esquinas, atravessando ruas, percorrendo as mesas dos bares e se instalando no coração das pessoas. É bom vê-lo passar. Os problemas do dia-a-dia são esquecidos momentaneamente, enquanto o palhaço vende o seu peixe, coberto de cores e de razão. Entre um reclame e outro, ele fala com as crianças, com os vendedores ambulantes, com os fiscais de loja, com os guardas-municipais, sempre andando, sem jamais desligar o megafone. Parece imbuído de uma missão. A exemplo do Profeta Gentileza – que nos anos 80 decorou pilastras de viadutos do Rio de Janeiro com mensagens de amor, respeito e solidariedade –, Rogério está convencido de que alegria gera alegria. Se em Gotham City vive um milionário fantasiado de morcego, em Resende temos o privilégio de contar com um verdadeiro super-herói disfarçado de palhaço.

Share

sexta-feira, 3 de junho de 2005


Thiago, Cláudia e André relembram Vinícius de Moraes Posted by Hello

Share

Bons programas para o fim-de-semana

Além do imperdível espetáculo "Vinícius de Moraes... É Demais!" - só hoje (sexta-feira) às 21 horas no Armazém - o fim-de-semana tem outras boas atrações, como o baile no Estoril (também hoje, a partir das 23 horas) com o grupo Alerta Geral e o DJ Adriano Góes (informações pelo telefone 3355-8834). Amanhã (sábado, dia 4) acontece na Penedo Dance House (a partir das 23 horas), a mais tradicional festa à fantasia da região, a "PenêFantasy", animada pela micareta da Banda Arete e pelos DJs Flavinho, Badauê e Dênis. No domingo, (dia 5) é a vez do show "Tom da Natureza", com a cantora Malu Rocha, o violonista Dudu Arbex e Alexandre Calóri, que se apresentam no Teatro do Salesiano abrindo a Semana do Meio Ambiente. Com entrada franca, o show começa às 19h30m. No mais, temos as atrações fixas dos barzinhos (ver programação na matéria "Música ao vivo de qualidade nas noites resendenses") e os filmes que estão em cartaz nas salas do Cine Show, no Resende Shopping. São eles: Reféns (sala 1, às 16h30m, 18h45m e 21 horas), Pesadelo (sala 2, às 16h30m e 18h30m), Cruzada (sala 2, às 20h30m) e Star Wars 3 (sala 3, às 16h30m, 18h45m e 21 horas). Os preços dos ingressos nos fins-de-semana e feriados são R$ 4,00 (meia) e R$ 8,00 (inteira) nas sessões diurnas e R$ 4,50 (meia) e R$ 9,00 (inteira) nas sessões noturnas. O telefone do Cine Show é 3354-6224.

Share


O elenco de "Vinícius... é Demais" posa no Armazém Posted by Hello

Share

André, Cláudia e Thiago são demais

Hoje (sexta-feira, dia 3) acontece no Armazém apresentação única do consagrado espetáculo "Vinícius de Moraes... É demais!" Concebido há 12 anos pelo ator e diretor resendense André Whately, o enredo conta a trajetória de um dos maiores poetas da língua portuguesa pelo universo da música popular brasileira, mais precisamente, pelos caminhos da Bossa Nova, destacando as suas parcerias com Tom Jobim, Carlos Lyra, Baden Powell e com o grande amigo e companheiro Toquinho. Já tendo sido apresentado com elencos diversos, o espetáculo parece ter encontrado agora o seu formato ideal: além de André Whately, que conduz a trama recitando poesias e intercalando as músicas com textos sobre a vida do poetinha, temos o violão virtuoso do jovem Thiago Zaidan e a maravilhosa voz de Cláudia Martins, interpretando com brilho e personalidade pérolas consagradas nas vozes de Elis Regina, Gal Costa e Maria Creusa, entre elas, "Samba da Bênção", "Samba do Avião", "Insensatez", "Berimbau", "O Canto de Ossanha" e, claro, "Garota de Ipanema". O espetáculo, de altíssimo nível, poderia estar sendo sucesso em qualquer teatro ou casa noturna do Rio de Janeiro (onde já foi apresentado na Plataforma), de São Paulo ou de qualquer grande capital brasileira. A nossa sorte é que, hoje, ele está bem ali, no Armazém, a poucos minutos de distância, sem trânsito, cambistas ou flanelinhas para atrapalhar a noite. “Vinícius de Moraes... É demais!” começa às 21 horas, com couvert artístico a R$ 5,00. Reservas pelo telefone: 3355-8114.

Share

quinta-feira, 2 de junho de 2005


Aqui ou em Nova York, é triste ver fechar uma livraria Posted by Hello

Share

A loja da esquina

Pela quinta vez assisto "Mensagem pra você" (You've got mail), da roteirista e diretora Nora Ephron. Já tinha visto no cinema (uma vez), em vídeo (duas vezes), em DVD (uma vez) e, agora, acabei de rever no Universal Channel, da Sky. O filme, lançado em 1998, não é nenhuma maravilha da sétima arte e nem de longe se compara a qualquer obra do Woody Allen, mesmo que o cenário seja também Nova York. Mas é muito bom de ver. A história, para quem não sabe ou não se lembra, é a da jovem (e bela) proprietária de uma antiga livraria (The Shop Around the Corner, algo como A Loja da Esquina), que vê o seu negócio ruir depois da inauguração de uma megastore (a Fox Books) do outro lado da rua. Acontece que a vítima em questão (Meg Ryan, na pele da doce Kathleen Kelly) vem trocando e-mails com um desconhecido pelo qual acabará se apaixonando, sem imaginar ser ele justamente o seu algoz, o milionário Joe Fox (interpretado por Tom Hanks), dono da Fox Books. Absolutamente nada a ver com a anunciada venda da Intervalo Cultural (foto acima), exceto a tristeza diante da possibilidade de livros, mais uma vez, serem substituídos por sapatos ou medicamentos. Não cabe também analisar as razões do aparente fracasso, que podem ser várias e, algumas, inexplicáveis. Mas uma grande reportagem sobre o amor aos livros, publicada no caderno Sinapse da Folha de São Paulo do último domingo, traz uma revelação esclarecedora sobre o hábito da leitura no Brasil: para quem pensa que os brasileiros lêem muito pouco, uma recente estatística nos coloca em segundo lugar entre os países de toda a América que mais consomem livros, atrás apenas dos Estados Unidos. O grande problema é que este universo de leitores representa apenas 16% de nossa população, ou seja, uma pequena minoria espalhada por todas as cidades que possuem livrarias. E Resende tem três, que poderiam continuar abertas para sempre. De volta à ficção, a trama segue mostrando a progressiva decadência da pequena Loja da Esquina, incapaz de concorrer com o enorme estoque, com as amplas instalações e com os reduzidos preços do vizinho predador, tudo embalado por uma trilha sonora de arrepiar o público de meia-idade (Harry Nilsson, Carole King, Louis Armstrong, Randy Newman e Joni Mitchell, entre outros). Depois de promover uma passeata contra a chegada da grande rival e de atacar o desalmado Joe Fox pela tevê, só resta uma alternativa a Kathleen diante da irreversível queda nas vendas: fechar a sua pequena, charmosa e tradicional livraria. No fim do filme, como era de se esperar, ela descobre a identidade secreta do namorado virtual e, aí, é impossível resistir à emoção do encontro dos dois no Riverside Park, ao som de "Somewere over the rainbow", cantada por Harry Nilsson. Principalmente quando ele diz a ela: "não chore, shopgirl (garota da loja, o apelido de Kathleen na Internet), não chore", antes do único e definitivo beijo. Contado assim é bem piegas, digno de um autêntico filme B. Mas em se tratando de Tom Hanks e Meg Ryan – numa química perfeita, num cenário mais que perfeito, com músicas que marcaram toda uma geração –, a coisa muda de figura. Dá uma vontade enorme de ver (viver) de novo!

Share